London called

Sempre tive expectativas altíssimas com Londres. Achava que era meu lugar no mundo, muito antes de sonhar em pisar nela. Foi aí que nosso relacionamento meio que esfriou, porque né... aquela máxima da vida "crie até pôneis, mas não crie expectativas". Veja bem, não é que não gostei de lá, gostei sim, e bastante. Mas eu achava que só entraria de volta num avião amarrada e empurrada a força pela polícia, e no fim, consegui ir andando sozinha mesmo. Isso foi porque a cidade é tão, mas tããão cara cheia de gente, de turista, de tudo, que você não consegue enxergar ela direito. É difícil ouvir inglês, é difícil conseguir parar pra olhar o que ta acontecendo em volta, e isso pra mim tira um pouco do encanto. Devo reconhecer, no entanto, que ao final dos meus dias lá, deu uma esfriadinha, e num sábado achei a cidade mais vazia e ó: <3.
Lendo fofocas no The Sun

Foi em 2012 que passei uma semana em Londres. Eu não gosto de viagens corridas, passar 2, 3 dias em cada lugar e ver muito pouco e superficialmente. Óbvio, tem lugar que não requer muito mais tempo do que isso, então beleza. Mas Londres é uma cidade gigante, cheia de coisa pra fazer e achei por bem reservar metade das férias pra ela.
Foi uma viagem de amigos, rolou uma mistura boa de turma, entre amigas da faculdade, amiga da vida, amigas do intercâmbio. Nem sempre tava todo mundo junto, porque né.. grupo grande é assim mesmo. Por óbvio, não tem como dar ruim. Danem-se as expectativas frustradas, you´re going to have the time of your life. Era março, a primavera estava dando as caras, pegamos dias maravilhosos de sol, calor de usar shorts durante o dia, noites amenas. Coisa fina.

Fiquei num hostel em Camdem (St. Christopher Inn) e não era muito bom, mas era OK. Além do que, os preços em Londres passaram há muito da hora da morte (socorro, libra!) e era o que dava pra pagar. Amei a localização - além de ter vários pubs, restaurantes e o famoso Camdem Market, é um bairro onde é possível ver muitos locais perambulando AND a uma distância andável do belíssimo Regents Park, com seus jardins lindos - passeio que vale a pena para quem tiver pela área. A região em si já é um programão, e passamos um bom tempo explorando as ruazinhas, lojinhas e minha nossa.. os cafés. Nada como Eggs Benedict em Londres :)
Fiz quase todos os passeios que a bula de turista recomenda: andei do BigBen ao Palácio de Buckingham, passei pela Abadia onde a Princesa casou (mas não entrei porque paga, e eu preferiria gastar com birita estava em choque com os preços da cidade), St. Paul Cathedral, London Bridge, Tower of London, Trafalgar Square, Hyde Park, Tate, Millenium Bridge, Picadilly Circus, Covent Garden. Presenciamos - e participamos - inclusive, de um protesto em frente ao Parlamento.
Não fui a alguns outros locais que gostaria, como Abbey Road, porque não tem jeito, você pode ficar 1 mês lá, e não vai esgotar as possibilidades. E como eu não gosto de passar correndo por tudo só pra dizer que fui, segui no meu ritmo. Mas vamos aos meus favoritos, aqueles lugares que fazem meu coração se encher novamente por aquela Londres dos meus sonhos.
St. James Park

Que parque lindo! O St. James vai do BigBen ao Palácio de Buckingham. Dá pra você fazer esse caminho por fora, ou ir por dentro dele, se apaixonando pelos lagos, esquilos, jardins e, se em março/abril, cerejeiras. De encher os olhos.
Borough Market
Outra maravilha na terra. Fomos sem pressa, descemos na London Bridge, e passamos algumas várias horas divinamente entretidas por muita comida boa. Sério... chegamos por volta das 11h da manhã e saímos perto das 15h, hahaha.. Tinha muitos londrinos almoçando de terno e gravata, no meio do expediente (se entendi bem, a área onde estão os bancos e afins é por ali). Mesmo assim, não estava super cheio. Estávamos em 3, e fomos dividindo os pratos pra todo mundo provar de tudo. Como não me deu uma dor de barriga, eu não sei. Mas comemos paella, um gnocchi super levinho, tortinha inglesa, pastas árabes, raclette suiça, macaroons  e sorvete de sobremesa. Fui muito feliz.
London Eye
É turistagem? Pura. Vale a pena? DEMAIS.
A fila anda rápido, e do preço você se recupera a hora que o negócio começa a subir. A vista é linda de doer. Fomos ao final do dia, e a luz natural estava bem bonita. A capsula é grande, cabe bastante gente, mas não deixam apinhar, então você consegue achar espaço na janelinha, e a volta toda demora tempo suficiente pra você olhar pra todos os lados da cidade com calma. Embaixo dela, tem um passeio que margeia o Thames, e ficamos lá até acender as luzes do BigBen, falando bobagens, dando risada, sendo puramente felizes, como o momento pede.
Notting Hill
Foi aqui que meu coração definitivamente fez as pazes com Londres. Fomos ao Portobello Market, que é o mercadinho de antiguidades famoso. Ele é bem lotado, e tem muita tranqueira, mas lá pelas tantas aparecem muitas coisas legais.
O mercado é bem longo, e da pra passar várias horas andando, vendo coisinhas, olhando as ruas laterais. Tem música, tem comidinhas e tem muita gente interessante.

Ao final, você chega no coração do bairro, onde tem casinhas britânicas coloridas, e da vontade de ficar ali mesmo, pra sempre. De achar marido, criar filhos e ver a vida passar. Tudo permeado por cerejeiras que estavam floridas e rosas. Eu não sei se eu sou muito retardada, mas de tempos em tempos a voz do Elvis Costello começava a cantar "She" na minha cabeça, e eu ficava com o sorriso de orelha a orelha. Ah é.. ainda tem essa. A lojinha do filme ta lá, mas não é mais uma livraria de viagem, mas de sapatos feios, rs.
Fomos a vários pubs, à uma taverna tradicionalíssima onde alguém muito importante estava quando a notícia do fim da 2a Guerra chegou (pois é, não lembro quem), e ao Fifteen do Jamie Oliver - que foi o programa rico da semana.
Londres tem esse detalhe: te faz sentir pobre, muito pobre. É tudo muito caro, e é possível gastar quase R$50,00 num café da manhã bem simples num restaurante idem. Por isso, dá uma desanimada. É muito ruim contar dinheiro em viagem, mas não tem jeito, se você não ficar esperto, muito antes do fim da sua estadia vai estar zerado. Por isso, é possível que eu não volte tão cedo.
Os dias estavam tão bonitos (ao contrário do que se espera da cidade) que queríamos aproveitar pra fora, então acabei indo a poucos - ou melhor, a UM - museu, o que é quase um pecado. Mas quem sabe alguma reviravolta na vida, tipo uma megasena, assim, não me empurra de volta pra lá em breve, né?
Mas é isso, na sessão nostalgia de férias que estou vivendo, muito me alegra lembrar que eu tive o prazer de passar uma semana ensolarada em Londres, que pode até não ser exatamente aquela do meu imaginário romântico, mas é sim uma cidade encantadora.

Um comentário:

  1. não tenho essa coisa por londres, mas vc falou em camdem e meus olhos brilharam. o bairro da amy se não me engano. mas tenho certeza que eu adoraria conhecer a cidade. meu ex é louco pra ir viver lá (coisa meio rara vinda de um irlandês).
    bjooo

    ResponderExcluir

Follow @ Instagram

Back to Top