Precisamos falar sobre a elite brasileira

Tem muita coisa que acontece aqui no Brasil (e tantas outras que deixam de acontecer) que me fazem pensar imediatamente em como o brasileiro carece de educação. Pra quase tudo que a gente tem de problema aqui, a reação inicial é: falta educação. Aquela velha - e sempre atual - colocação de como a educação pública é falida, de como a grande maioria da população não tem acesso nenhum à educação e cultura, como isso alimenta uma roda viva de problemas como violência, corrupção, etc. Mas esse discurso todo é sobre uma maioria esmagadora da população que não tem acesso à educação, certo? Pois é. Mas como lidar com uma elite altamente deseducada? 

Explico. Namorado é americano, veio ao Brasil contratado por uma escola americana. Escola essa que segue o calendário americano, currículo americano, é creditada nos EUA, só fala inglês, prepara para as universidades americanas, e cujo target, inicialmente, era filhos de expatriados, que voltariam ao seu país de origem e não queria ter "perdido tempo". Hoje é frequentada, por mais ou menos 50% de gringos e 50% por parte da clase AAAA de SP, que desembolsa mensalmente uma pequena fortuna pra por o rebento lá. 

E aí, minha gente... Que o grupo de piores alunos da escola, de acordo com o Instituto de Pesquisas Ládecasa, é composto por esses filhos da elite brasileira. Não fazem tarefas, inventam doenças pra faltar nas provas, roubam trabalhos da internet, não participam das aulas, coisas que sabemos que é um problema de seres humanos em formação, mas, cereja do bolo, são acobertados e defendidos com unhas e dentes pelos pais. Pais esses que, inclusive, por vezes mandam o advogado da família na ~reunião de pais e mestres~. É mole?

Enquanto crianças coreanas/chinesas/americanas estão tendo problemas pra escolher entre Harvard, Yale, Oxford ou Stanford, tem pai brasileiro mandando email mal criado pro meu digníssimo dizendo o seguinte: se ele não faz lição de casa, é escolha dele. Eu não posso fica recebendo email do Sr. cada vez que ele não se comporta, porque tenho mais o que fazer. To. Falando. Sério. Inclusive, enquanto esse post estava na pasta de rascunho, aconteceu um outro episódio bem engraçado de um aluno ameaçar o professor de processo judicial caso fosse excluído de um grupo. 

É claro, não é que 100% da brasileirada da escola é assim, tem muita gente bacana e esperta. Não são todos os brasileiros que estão no grupo de maus alunos, mas todos os maus alunos são brasileiros. São crianças ricas, riquíssimas, que não foram educadas pra ter disciplina, pra seguir regras, pra passar por frustrações, que nunca ouviram um não na vida. Que fazem tudo se quiserem, quando quiserem e do jeito que quiserem. Que nunca enfrentaram uma consequência por seus atos, que mal sabem o que consequência significa, que não buscam uma lógica para as coisas porque seus sobrenomes suplantam qualquer lógica.

Pergunto: o problema estrutural da educação, onde ele começa? Será que é só um problema do Estado mesmo? Será que é só um problema de acesso à educação? E a nossa elite, tão rica, com tanto acesso a tudo, qual é o problema dela então?

10 comentários:

  1. Eu tirei essa do meu Facebook:

    "As pessoas precisam saber a diferença entre educação e escolarização, matematica, historia, geografia e etc, se aprende na escola; carater e bons modos vem de berço."

    Eu quando era professora no Rio trabalhei em uma escola para os mega riquinho e trabalhei em escolas para os ferrados e pasme o problema de comportamento era o mesmo! Ja recebi advogado me ameaçando pra passar aluno, ja recebi pais querendo saber por que da bruxa ma aqui deu nota baixa no exame do filhinho, ja vi aluno me ameaçar dizendo que se eu nao fizesse o que ele queria teria que lidar com os pais deles...a falta de educação (aquela trazida de casa) era a mesma.

    E dificil dizer qual o problema, mas eu me arriscaria na teoria de que os brasileiros tem um senso de merecimento muito alto. Eles acham que merecem que a escola lide com toda a educação dos filhos por que eles estao muito ocupados trabalhando e afinal eles tao pagando, ou se e em escola publica eles tao pagando imposto...entao no final o profissional de educacao nada mais e que um capacho prestador de servicos das vontades dos pais e alunos.

    Eu diria que os alunos brasileiros nao tao acostumados a levar trabalho de casa a serio, e que a lei do menor esforco e o que vale pra todo mundo...Voce resumiu bem, os pais blindam tanto os filhos da palavra nao e dos disappoints da vida que estao criando mostrinhos, so me pergunto quando os mostrinhos crescerem o que vai acontecer...e triste viu...=(

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monique, acho que você disse bem: senso de merecimento. Isso é algo geracional, mas que me espanta muito que uma elite "bem educada" se deixe enganar assim... As pessoas acham que seu filho merece ser feliz 100% do tempo, merece não se desapontar, merece ser compreendido o tempo todo, merece a melhor atenção do mundo, merece não tomar bronca, merece passar pela vida em brancas nuvens. E aí da nisso... pessoas completamente despreparadas pra vida. E pior, que no caso desses ricos, são pessoas despreparadas e com dinheiro, achando que podem comprar tudo e todos. Uma pena :(
      Beijos

      Excluir
  2. PUTA QUE PARIU! O cara ameaçar levar advogado pra escola é de uma petulância que não consigo acreditar...

    Quando eu trabalhava na Cultura também tinha que lidar com uns tipos parecidos (principalmente crianças e adolescentes, adultos não) e cara, é complicado ouvir de aluno que ele paga seu salário, de ter que aceitar redação e atividade sendo entregue com atraso porque a mãe vai na escola justificar o porquê (e você tem que aceitar porque seu gerente diz que sim).... complicado, né? Eu não sei como seu namorado lida com essa galera aí. Qual a posição da escola? Acata tudo o que os alunos, digo, clientes pedem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que faz parte da formação da criança e do adolescente falar umas merdas e tomar um VRÁ! na cara. Eu me lembro que uma vez na vida falei uma bobagem do tipo "você tá aqui pra me ajudar". Minha mãe me deu uma bronca num grau que eu sinto vergonha até hoje quando lembro, e eu tinha uns 8 anos. Mas quando você percebe que os adultos estão endossando esse tipo de comportamento, acaba a esperança. A escola, me parece, fica bem em cima do muro. Da suporte pros professores cobrarem mais os alunos, mas não ataca a raiz dos problemas, não vai aos pais da forma que entendo que deveriam ir. Principalmente porque pra esses gringos, nada disso faz sentido. Os caras estão é apanhando pra entender que existem pais que não se importam que os filhos estejam mal na escola, que os filhos não serão aceitos em boas universidades, etc. É surreal!

      Excluir
  3. Que situação! Eu sabia que essas coisas existiam, mas não tão forte e tão comum. Mas não me surpreende... Fico conversando com a minha bestie que hoje tem um bebê e vive numa situação bem diferente (para melhor) da que ela mesma cresceu. A gente fica citando casos e casos e pensando se será que o filhinho dela vai saber o valor das coisas da forma que a gente sabe ou que os nossos pais, que tiveram menos ainda, sabem. Sim, parte disso será responsabilidade dela e do marido de ensinar e dar limites, mas será que é suficiente?

    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, acho que pode ser suficiente sim. Acho que pode ser muito difícil pros pais darem limites, puxarem pra realidade, colocarem o pé no chão. Mas pode ser suficiente. Vai da atenção que cada um dá ao que ta se passando com o filho... Tenho certeza que sua bestie ficaria apavorada ao receber um email do professor falando que ele está indo mal na escola. E é aí que entra o senso de responsabilidade (que pra muitos pais está faltando). Enfim, educar é uma tarefa muito difícil, mas não tem outra saída pro mundo.

      Excluir
  4. Gabi revoltei-me lendo seu post porque me fez viajar no tempo pois no Brasil eu trabalhei como professora e vi isso tudinho que vc falou mas o do seu marido e elevado a infinita potencia porque de fato responder emails dessa maneira e mandar o advogado da familia na escola fez meu queixo cair! Cruz credo, um bando de mimados que nao vao mudar nunca. Infelizmente! Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A elite de São Paulo, ela não tem limites hahaha! Foda, viu! Beijos

      Excluir
  5. Intragável!. É revoltante e dá um raiva tão grande. Infelizmente Gabi, eu tenho um exemplo parecido dentro na família, o que me revolta mais ainda. Tenho nojo de gente que tenta passar por cima de tudo pensando que o dinheiro pode safar. A elite brasileira é um nojo, difícil de tragar. Como que o seu namorado está lidando com essa situação? Deve estar chocado, eu imagino...
    xxxxx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa.. ver essas coisas dentro da familia é o que da mais raiva mesmo! Ele ficava chocado, hoje em dia fica de saco cheio, mesmo, sabe... Porque você ta ali tentando educar, tentando formar seres humanos melhores pro mundo, e não conta com respaldo daqueles que deveriam ser os maiores interessados, os pais. Dureza!

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top