Batendo perna em Pinheiros

Pinheiros é meu bairro aqui em SP. Um bairro por onde eu andava muito pouco até alguns anos atrás, mas que só me faz cativar cada vez mais. Por aqui você encontra de tudo, é muito pedestre friendly, tem a melhor ciclovia da cidade (a da Faria Lima), um parque lindo, algumas praças bonitas, muuuitos restaurantes bons - inclusive alguns de chefs badalados, bares, enfim, rende um belo caldo. 

Com alguns afazeres na agenda, sábado saímos batendo perna por aí, pra tentar adiantar a vida. Acabou que não resolvemos tudo, mas passamos por alguns lugares deliciosos desse bairro. 

Pra começar o dia com energia, passamos pelo Brigadeiro Café. Esse lugar é puro charme, e fica aqui na frente da minha casa. Além do óbvio brigadeiro, que é maravilhoso, tem sanduiches, sorvetes, café, pão de quejo, saladas, sopas e uma empanada de espinafre de comer chorando. As vezes quando eu faço home office gosto de ir ali almoçar um wrap de frango ao curry, ou um bagel de salmão defumado. Minha única reclamação: é CARO. Por isso, vou menos do que gostaria. Mas era sábado, dava pra ser um pouco indulgente, rs.
Foto do Guia da Semana
De lá seguimos até o Largo da Batata, e subimos a Cardeal. Estávamos a caminho da Kalunga, mas no meio do caminho vimos uma ruazinha, chamada Irmão Lucas. Uma rua só de casas fofas, uma mais coisinha que a outra. Eu fiquei com muita vontade de morar ali. Ficamos ali admirando as casinhas, escolhendo a nossa favorita. De quebra, tinha uma arquiteta na rua fotografando as construções, e deu uma aula pra gente sobre o que fazer e o que não fazer quando se está construindo uma casa. Adoro essas pessoas!
Uma das minhas favoritas
Depois da Kalunga pegamos a Fradique Coutinho sentido Vila Madalena. Além de várias lojinhas interessantes que tem por ali, sábado é dia de Feira Livre. Eu adooooro uma feira. Adoro as cores, os cheiros, as pessoas. Adoro comer pastel com molhinho, experimentar coisas, pechinchar preço, é uma beleza. Devo dizer que não vou com frequência, e acho que até por isso ir à feira pra mim é muito menos um compromisso de rotina, e mais um programa feliz. 
O cheiro dessa banca, gente... Cheirinho de tempero bom, sabe?

E as cores das bacias?



Vontade de levar tudo pra casa... Legumes, temperos e flores!
Paramos ali pra ver gente e tomar água de coco. Eu adoro ver a interação entre feirantes e fregueses na feira. ADORO! Rola toda uma intimidade entre gente que tem um encontro marcado toda semana, sabe? Essa feira pega uma quadra da Fradique e depois sobe a Aspicuelta, rua famosa dos bares da Vila. É bem grande, tem de tudo: legumes, frutas, verduras, flores, artesanatos, peixes, temperos, queijos, frios em geral, tudo que você possa precisar. 

Nessas alturas já tínhamos feitos tudo o que dava pra fazer da nossa lista, voltamos em casa pra deixar as compras e resolvemos continuar na vibe de explorar a vizinhança. Seguimos andando até o Mercado de Pinheiros. Além dos boxes pra comprar carnes, peixes e vegetais, agora o mesanino ta cheio dos bares. Inclusive uma filial do famoso Mocotó. 
Foto tirada do site da Prefeitura
A nossa idéia era comer um ceviche, mas estava A fila. Foi assim que descobrimos que o Mercado de Pinheiros está na moda. O Mocotó também estava com uma fila assombrosa. Resolvemos andar até o Ambar Bar, um novo bar de cerevejas artesanais que abriu por aqui. Alias, parenteses necessário: {Pinheiros é a meca paulistana pra quem gosta de IPAs, Pale Ales e afins. Tem aqui o Empório Alto de Pinheiros, a Brewdog, Delirium Café, Cervejaria Nacional, Choperia São Paulo, Salumeria Tarantino, o Ambar, entre outros que não conheço.Todos esses bares com torneiras de chop artesanal, nacionais e importados}. Mas o Ambar estava fechado :(

Então fomos pela Rua dos Pinheiros, e resolvemos comer nosso ceviche na La Cevicheria, um restaurantinho peruano, que me parece novo. É num esquema mais informal: você vai ao balcão, pede, paga, e eles te levam o prato na mesa. Tem uma variedade de comidinhas peruanas, pisco, cervejas. Eu comi um ceviche de pescado no molho clássico, e estava gostoso mas poderia ter mais molho. Mati comeu um misto, com peixe, lula, polvo e camarão, e teve a mesma opinião: gostoso, mas faltou molho. O preço é quase caro - como tudo em SP - R$25 o ceviche de pescado, R$28 o misto. 

Como o dia estava bonito e tinha energia sobrando, seguimos pra outro canto de SP, sobre o qual falarei outra hora. Mas e aí, animou pra vir me visitar em Pinheiros? Comida boa, lojinhas gracinhas e gente interessante pela rua. 
Largo da batata, pelo Coletivo Teatro Dodecafônico

12 comentários:

  1. Oooi! Tudo bem? Sou nova lá no Bloggers Out And About, e estou fazendo um tour pra conhecer o trabalho de todos vocês. Prazer!

    Fui pouquíssimas vezes em SP, e os únicos lugares pelo qual bati perna foi no Centro e no bairro em que fiquei hospedada, na casa de uma amiga, que eu esqueci o nome mas com certeza não é esse. Era Tatuapé eu acho, alguma coisa assim. Confesso que tinha preconceito e um certo pavor com a cidade até a minha última visita, em dezembro, quando conheci o bairro dessa minha amiga e me encantei pelo lugar. Hoje já consigo me ver indo passar vários dias na cidade, pra turistar mesmo. Quando for, farei uma visitinha ao seu bairro. Sempre tento deixar um dia extra quando planejo minhas viagens, pra bater perna em cantinhos não turísticos e mais autênticos da cidade. Pinheiros parece ser bem assim. Achei um charme. Já posso me ver comendo salmão no Brigadeiro Café (mesmo que eu pague caro, amo muito e vale a pena). E a feira <3 amo essas feirinhas de rua, me perco por horas vendo as coisinhas. Cerveja artesanal <3

    Beijinhos, te espero lá no http://amendoasefelpices.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São Paulo é uma cidade difícil. Ajuda muito ter alguém pra te levar nos lugares certos, mostrar essa "beleza escondida", que existe em vários cantos da cidade. Temos muitos parques bonitos, bairros charmosos, restaurantes gostosos, a cidade oferece muita coisa. Espero que você venha mais vezes e goste cada vez mais! Beijos

      Excluir
  2. Em Pinheiros tem comida boa e casa gracinha? To chegando ai viu....rsrs.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veeenha haha! De preferência antes de julho ;) Beijos!

      Excluir
  3. Nossa, que coisa mais amor <3 Amei e fiquei imaginando o cheirinho desses tempeirinhos! Que delícia, Gabi.


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cheirinho de tempero mata né? Eu que nem sou cozinheira, fico com vontade de levar tudo pra casa. Beijos!

      Excluir
  4. Cara, que vergonha. A pessoa nasceu e morou 25 anos em SP e não sabe absolutamente nada disso. Quer dizer, todos esses nomes de ruas são familiares e já passei por elas algumas vezes - sempre por causa de algum treinamento do trabalho ou algo assim. O fato é que, por eu morar longe dessa região (Freguesia do Ó), não tinha motivos pra atravessar a cidade e ir pra Pinheiros, sabe? hahaha
    Agora, que deu saudade duma feira de rua, deu. Também adoro a interação dos feirantes com os fregueses, dos cheiros e das cores. Acho que não levei o R. pra uma feira quando fomos ao Brasil - tenho que levá-lo da próxima vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é bem normal aqui em SP, né? Cada um anda muito no "seu quadrado". Lembro que quando entrei na faculdade, tinha um cara lá que morou a vida inteira em SP, e tinha ido na Paulista tipo uma vez, rs. Ele morava la pro Alto da Boa Vista, e fazia tudo por lá. A vida aqui é meio assim, né? Eu mesmo, da Freguesia, só conheçoa a avenida Itaberaba (porque quando era criança vinha do interior pra ir numa dentista la, haha) e o Frangó, clássico.

      Tinha váááários gringos na feira, tirando mtas fotos, pirando nas comidas. O R. vai adorar certeza, e pastel hummmmmm!

      Excluir
    2. Eu morava perto da Itaberaba! hahaha Ê mundo pequeno!

      Gente, faz mais de década que não vou no Frangó. Uma boa ideia levar o gringo lá da próxima vez... aliás, agora lembrei que ali na Matriz tem uma pizzaria super tradicional chamada Bruno, conhece?

      Excluir
    3. Não conheço. Alias, eu sou um fiasco das pizzarias de SP. Não vou nunca, só peço delivery (e aí fico miguelando e escolhendo coisa barata e borrachuda hahaha). Mas eu acho a freguesia tããão simpática, clima de interior. Deve ser gostoso ir numa pizzaria lá haha! Ps - o gringo vai curtir o Frangó sim!

      Excluir
  5. Que delicia de post, Gabi.. me senti como se eu tivesse fazendo esse passeio com vocês! haha
    Pinheiros me dá uma nostalgia, essa Cardeal tb.. e na minha adolescência eu ia muito ali na Tribe House sabe? Minha nossa, me senti super velha lembrando disso aloka hahaha
    É tão legal quando a gente sai assim e ai aparece pessoas como essa arquiteta pelo caminho, já faz o dia valer a pena, né?
    Fiquei morrendo de vontade de ir numa feira, aliás, é um desejo forte, principalmente nesses mais de 2 anos e meio de expat.. certeza que quando pisar no Brasil de novo vou falar: KD FEIRA? haha

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que essa Tribe House não é do meu tempo, rs. Eu me mudei pra SP em 2004, mas não circulava muito por Pinheiros até uns 3 anos atrás. Eu morava no Paraíso, estudava no centro, trabalhava no Itaim, e vivia minha vida por ali.

      Desde que você foi pra Irlanda, não voltou ao Brasil ainda? Imagino a sua fúria chegando numa feira hahaha.. "Me vê 5 pasteis e 3 litros de caldo de cana fazfavooor!"

      Ve se vem logo, e se for antes de julho, let me know :)

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top