Rio, I love you

Já falei aqui do meu caso de amor bem resolvido com o Rio. E é amor demais. Eu estou iniciando minhas "despedidas" (eu sei que temporárias, porque esses lugares estarão me esperando aqui pra sempre) e estou mega sentimental, então quis fazer uma viagem pra me despedir da cidade que é número 1 no meu coração. Sim... Amo Berlim, amo Chicago, mas o Rio pra mim é campeão. Não me contive a somente fazer minha listinha do que ver em SP antes de ir. Eu também fiz a minha listinha da ultimate trip ao Rio, então senta que lá vem postão. 

Como aqui é pobreza, e estamos guardando todo e qualquer centavo, essa viagem só aconteceu porque fomos de ônibus e ficamos na casa de um amigo. Viajamos de quinta pra sexta, chegamos lá cedinho. Aproveitamos que o dia estava bonito e fomos pro nº 1 da lista: praia da Zona Oeste. Sempre ouvi falar que essas praias afastadas são mais tranquilas - e limpas - do que as da zona sul, mas são de difícil acesso pros turistas sem carro. Meu amigo levou a gente lá, e de quebra deu um super tour na zona oeste. Passamos pelas grandes avenidas da Barra, praia, e pelo que será o Parque Olímpico, onde estão os grandes ginásios que, né, nessas alturas deveriam estar prontos, mas são um verdadeiro canteiro de obras.

A Prainha fica na casa do chapéu. Gente, como é longe. Depois de rodar esse tantão, chegamos lá e valeu toda a jornada. Uma avenidinha simples, um lugar sossegado e um mar limpinho. 
A avenida da Prainha

E esse mar...
Depois de tirar uns cochilos na praia, dar um mergulho esperto e por o bronze em dia, percebi que por ali mesmo eu podia resolver outro item da minha lista: fazer uma trilha. O Rio tem trilhas lindíssimas, e quase todas elas se encerram com uma vista de tirar o fôlego. Eu tinha pensado em fazer a trilha do Pão de Açúcar, que ouvi falar que é facinha. Mas ali na Prainha tem o Mirante do Caeté, e estando ali, resolvemos fazer. É meia horinha de subida, super sossegado. Subi de biquini e chinelo mesmo. A natureza é super exuberante, muito verde, e de vez em quando a mata abre pra gente espiar o mar.
A vista no caminho

E o presente pra quem sobe :)
Depois de repor as energias e tirar fotos bonitas, descemos- foi ainda mais rapidinho -  e seguimos passeando pela orla. O mar estava muuuuito azul, areia branquinha, e eu fiquei apaixonada pela praia da Barra - e só a praia, devo dizer que achei a parte town da área muito americanizada num mau sentido. Mas enfim. Seguimos para a Vista Chinesa. Se na praia o dia estava clarinho e ensolarado, na zona sul a coisa tava mais nublada. Num dia bonito, na Vista Chinesa a foto é essa:
Foto do TimeOut
Eu não dei sorte, e não consegui nenhuma foto publicável. Mas o lugar é lindo, o caminho até lá é super bonito, e nem parece que estamos no meio de uma metrópole do tamanho do Rio. Fomos comer um sushi esperto no Bentô, um restaurante tranquilinho em Ipanema. A idéia era dar um cochilo pra sair de noite, mas adivinha quem só acordou às 9h da manhã de sábado? Isso mesmo, Gabriela e sua trupe. 


Acordando, fomos direto resolver uma pendência que eu tenho na minha to do list do rio há tempos: o Parque Lage. O Parque fica na Av. Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio e como meu amigo mora na Lagoa naquele pedaço, fomos andando. No local hoje funciona uma escola de artes, mas foi construído em mil novecentos e qualquer coisa por um rico para sua esposa, que era cantora lírica. Detalhes da história aqui. Fato é que o lugar é de cair o queixo. Uma vista maravilhosa pro Corcovado, um jardim que mais parece uma floresta, torres, laguinhos, inclusive uma gruta. A jóia é o casarão construído ao redor de uma piscina, onde fica o Café Plage, que serve um brunch delicioso. 
O que é esse lugar?

Por dentro, mesinhas em torno da piscina

E o brunch delícia, com ovos, frutas, frios, pães, geléia, iogurte fresco e bolo
Esse brunch ta na minha mira há anos, mas sempre que acordo no Rio, meu instinto tropical me manda pra praia. Dessa vez não deixei passar, e valeu cada um dos 20 minutos de fila. Foi rápido, sei que aos sábados o povo amarga 1h de espera. Mas tudo conspirou a meu favor :)

Depois de andar pela "floresta" e respirar ar puro, seguimos pro centro. A idéia era ir no Museu do Amanhã, na reformadíssima e linda Praça Mauá. Mas dessa vez a fila não conspirou a meu favor, e diante da espera de 2h debaixo de mormaço, desistimos.
Filinha de leve na Baia
Não entramos no museu, mas andamos no passeio que contorna a construção. Fizeram uns espelhos d´água, um jardim, e é tudo muito lindo. 
Reflexos do Amanhã
Como eu disse da outra vez, a visita à Praça Mauá vale muito a pena, independentemente de entrar no museu. O espaço está lindo, a vista da Baia, com a Ponte Rio-Niterói ao fundo é icônica, e sempre tem uma festinha, um sonzinho, uma faísca cultural rolando. Também tem um letreiro Cidade Olimpica, tipo IAmsterdam, que o povo adora tirar foto. E eu também. 
Maturidade: não trabalhamos.
Como não rolou o Museu do Amanhã, e o MAR- Museu de Arte do Rio- que fica ali na frente, já tínhamos visitado, resolvemos bater perna pelo Centro Antigo do Rio. Fomos ao Mosteiro de São Bento, acho que a igreja mais ostentação que eu já fui na vida. Mas sim, é LINDA demais. 

Muito ouro!
Paramos no CCBB, onde estava tendo uma exposição Zeitgeist - A Arte da nova Berlim. Minha cara, né. Quadros, pinturas, e muito clubbing. Eu amei a exposição, que conseguiu me levar pra Berlim por alguns instantes. Seguimos por vários bequinhos interessantes, e chegamos até a praça onde a cidade do Rio de Janeiro foi fundada por Estácio de Sá. Passamos por uma feirinha de antiguidades e quinquilharias interessantíssima, e muita arte de rua. 

Fomos então tomar uma cervejinha esperta em Santa Tereza, bairro famoso por sua arte de rua, sambinha nas portinhas e bondinho, que infelizmente não estava passando. Sentamos ali na calçada do Bar do Mineiro, e entre cervejas, caipirinhas e pastel de feijoada, o dia foi passando.
Começou a dar uns pingos, então fomos nos esconder num bar na Lapa, ali embaixo. O escolhido foi o Nova Capela, bar super tradicional e presente no Rio desde 1903. Comemos um bolinho de bacalhau de chorar de bom, tomamos mais uma cervejinha, e fomos tentar comprar ingresso pro show da Elza Soares no Circo Voador, mas não rolou, estava esgotado. Pra não perder a viagem, batemos mais um pouco de perna. 
Escadaria Selaron
E os arcos <3
De noite fomos num bar, e depois pegamos uma baladinha gay em Copa, pra dançar muito bate cabelo. Embora eu tenha me divertido muito, não vou encompridar esse post com isso, porque pra mim o Rio é uma cidade do dia, e as baladas não são um must não. 

Domingo era dia de fazer o que eu mais gosto: dia de praia em Ipanema. E pra isso o Rio me abriu um baita sol, com céu e mar azul. Não tem coisa que eu goste mais de fazer no Rio do que isso. Abrir minha canga em Ipanema e passar o dia lendo livro, tomando cerveja, comendo biscoito Globo, mergulhando (e tomando caldo) naquele mar agitado. E assim passei o meu domingo, até dar a hora de vir embora. 
Meus amores. O Rio e esse Gringo no skate
Sair do Rio ontem foi dolorido. Desde que coloquei meus pés na cidade pela primeira vez, em 2009, eu sempre voltei. Sempre soube que ia voltar, que a próxima ida estava logo ali. E assim foi que eu cheguei e saí do Rio 17 vezes (se não tiver esquecido nenhuma viagem). Ontem olhei pro Cristo e caí no choro. Saber que não colocarei meus pés de novo naquele solo sagrado em 3, 4 meses, me apertou o coração. 

Mas eu sei que ele estará lá me esperando de braços abertos. Como sempre esteve. Desde esse dia aqui, em 2009.

8 comentários:

  1. Que post LINDO, Gabi! Você gosta mesmo do Rio, né? 17 vezes não pra qualquer um não! Eu sempre adiei uma possível visita ao Rio porque tinha medo, olha que bobagem! Depois que fomos em 2014 eu fiquei apaixonada, achei a cidade linda, gostosa, me senti bem (apesar do calor), sabe? O R. também amou - e também, como não amar? Quando estávamos no Cristo e tivemos aquela vista... parecia uma pintura na vida real.

    Esse post tá cheio de dicas boas, adorei! Vocês aproveitaram bastante! Esse parque Lage não consegui visitar mas tô contando com um retorno ao Rio em breve, sabe? Ainda mais que é perto de SP e um vôo não é caro, dá pra ir passar 2, 3 fácil numa próxima viagem ao Brasil. Quer dizer, na próxima já temos outras viagens marcadas, mas quem sabe ano que vem?

    Beijos! Amei as fotos, estão lindas e você parece muito feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou dizer que antes de ir, eu também não dava trela pro Rio não. Achava que o povo vivia sitiado na violência, sabe? Olha que bobagem. Eu acho a cidade toda fascinante. Pela beleza natural, riqueza cultural, o estilo de vida, de deixar a vida passar devagar, sabe. Me sinto privilegiada por ter aproveitado tanto! E ainda aproveitarei mais.

      E sim, estando aqui em SP, pegando voo durante a semana, fora do pico, sai barato, 45 minutinhos, e ainda tem a vista da chegada ao Santos Dumont, que pra mim já faz valer a viagem. Beijos!

      Excluir
  2. Mais um post super gostoso de ler e me senti como se tivesse ai do seu ladinho ouvindo você contando sobre a viagem e até mesmo 'viajando' com você!
    Eu já fui várias vezes ao Rio quando pequena com a família, também voltei umas 2 vezes depois de grandinha, mas o Rio não foi uma cidade que me conquistou =/ eu sempre ficava mto agoaniada por conta do calor e meu pai com medo não deixava eu sair mto sozinha, já que a maioria dessas viagens eram a trabalho... Mas eu quero dar uma chance pro Rio e ir de novo fazer uma viagem descente pra lá e visitar esse tanto de lugar bonito e principalmente fazer uma dessas trilhas maravilhosas com essas vistas de tirar o fôlego!

    E Gabi, tu já por acaso pulou de asa delta em uma dessas vezes que tu foi? Tenho vontade de fazer isso tb quando for ao Rio novamente, mesmo já sentindo aquele mega frio na barriga só de imaginar hahaha

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do post. Eu sou dessas que quer escrever logo depois da viagem, pra lembrar dos detalhes, sabe? Gosto do registro completo, pra poder voltar e ler depois, matar saudades. Apesar do calor, acho que vale muito dar mais uma chance. Sou suspeita, mas acho o Rio apaixonante!

      Nunca pulei de asadelta. Quando tinha coragem, não tinha dinheiro, rs. Agora, não to nadando na grana, mas óbvio que poderia pagar, só que morro de medo. Fico olhando o povo voando lá e imagino que deve ser muito legal, mas aiaiaia.. eu acho que não, hahaha! Beijos!

      Excluir
  3. Deu maior saudade da minha cidade agora, o RJ e lindo demais e acho dificil alguem não gostar de ir la...rs. Se voce gosta de fazer trilhas faceis com vista linda no final voce devia tentar as trilhas dos fortes que tem em Niteroi, a vista da ZS toda de la e linda demais =) E fica triste não pois a cidade vai ta sempre la te esperando pra outras muitas visitas. Alias numa dessas visitas eu estando pela cidade e voce querendo te dou um tour muito maneiro de lugares incriveis e nem tão conhecidos.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não que a minha intenção seja fazer um carioca sentir saudade de casa, mas quando leio esse comentário, fico ao menos feliz de ter retratado sua cidade bem. Na minha lista de coisas tinha o Parque da Cidade, em Niteroi, que tem uma vista linda pro Rio, né. Mas é tanta coisa pra ver, que sempre falta tempo. Quem sabe numa próxima - se você estiver por lá, melhor ainda! Beijos

      Excluir
  4. Oi Gabi, vou ter que concordar com a Monique, os olhos encheram de lagrimas nao somente pelas lindas fotos ( aquela ultima do Cristo esta perfeita, mas a minha preferida foi a da pica kkkkk ) mas principalmente pelo carinho que voce fala do Rio... ja coloquei esse post como um dos meus favoritos para me aquecer a alma quando a saudade de casa apertar. Assim como vc ama o Rio, tenho certeza que a reciproca e verdadeira. Beijo

    ResponderExcluir

Follow @ Instagram

Back to Top