Causos de uma viajante

Já li alguns relatos de histórias engraçadas - ou nem tanto - que rolaram em viagens. O último foi esse aqui da Taís, e dei altas risadas. E quando ela mencionou uma peripécia num hostel em Köln, foi inevitável lembrar uma situação que aconteceu comigo e uma amiga também num hostel em Köln. E daí fui pulando de galho em galho e lembrando das coisas engraçadas que já me aconteceram em viagens e resolvi contar aqui.

* * *

Em 2012, eu e minha amiga paramos pra algumas horas em Köln. Chegamos de trem às 10h da manhã e saímos de trem às 5h da manhã do dia seguinte. A idéia era deixar as malas no locker da estação de trem, mas elas eram grandes e não entravam. Então achamos o hostel mais barato da cidade, pagamos uma noite cada e deixamos as malas lá. Andamos o dia todo, e quando era umas 9h da noite não tinha mais o que fazer, não íamos pra balada, era uma terça-feira, voltamos pro hostel. Ficamos lá na sala de convivência, e fizemos um amiguinho britânico. Ficamos de papo os três, e em algum momento minha amiga resolveu fazer uma crítica a um hábito dos americanos, e achou que estava falando baixo. Só que não estava. E um americano IMENSO (tipo guarda roupa, 2x2 sabe) que estava do outro lado da sala - e que não tínhamos nem visto - veio, e começou a xingar muito. Mas muito mesmo. Então perguntou de onde éramos e começou a xingar a gente de brasileiras putas, e daí pra baixo. Sério... Saímos fugidas do hostel às 3h da manhã mortas de medo. E depois desse dia eu achei que não queria nunca mais saber de americanos, rs... Mati que o diga.
Moral da história: sejam meigas em Köln e não falem merda nas áreas de convivência dos hostels
* * *

Nessa mesma viagem, nossa última parada foi em Londres. Fiquei num dos piores hostels que já fiquei na vida, e num quarto misto compartilhado com mais 5 pessoas - uma delas uma outra amiga. Como ficamos uma semana, passou muita gente por esse quarto, gente que roncava alto, gente que não tomou banho nem uma vezinha, gente que vomitou pós balada. No penúltimo dia chegou uma dupla de amigos muito simpáticos, ambos alemães. Fiquei até aliviada com a gentileza, higiene e simpatia dos dois. No dia de ir embora, pela manhã, eu sentei no quarto e fiquei arrumando a minha mala, enquanto conversava com os dois belezinhas. Estávamos só nos quatro, eu, minha amiga e os dois. Fui guardando as roupas e deixando meu ipod do lado da mala. Quando fechei a mala, percebi que o ipod não estava onde eu deixei. Pensei que eu, distraída, tivesse botado ele dentro da mala, então não esquentei. Pois é, gente.. Um dos dois belezinhos usou a mão leve pra furtar meu ipod na minha frente enquanto eu falava pelos cotovelos, querendo ser simpática com eles.
Moral da história: não seja trouxa (e essa foto não tem nada a ver com nada, mas gosto dela, rs)
* * *

Ano passado eu e Mati fomos pra Argentina, e como o valor do peso pro real ainda estava a farra do boi, conseguimos ficar num hotel delicinha. Chegando no check in do hotel tinha dado um problema no nosso quarto, e nos deram um quarto maior, desses que tem uma salinha com cozinha e o quarto reservado. Deixamos nossas malas na salinha, e nelas tinha basicamente tudo nosso. Na primeira manhã, estamos nós dormindo no quarto quando escuto um barulho na sala. Dei um pulo e sussurrei: Matt, tem alguém dentro do quarto. Ai ele todo sossegadão: nããão, o barulho é no andar de cima. Ai ouvi outro barulho, falei tem siiiim, e já comecei a imaginar meus dinheiros todos indo embora com o ladrão. E então, alguém abre a porta do quarto. Gente, o desespero foi tamanho que meu corpo travou todo, e quando consegui gritar foi algo fino, sem sentido, tipo um uivado, rs. Nisso Mateus pulou da cama e saí gritando hey, hey, heeeeeeeey. Cômico. Era a camareira, que entrou no quarto por engano, hahaha. Ficou toda sem graça, pedindo desculpas, e eu morta de vergonha do meu grito desafinado.
Moral da história: confie no seu ouvido (e don´t cry for me Argentina)
* * *

Em 2011 fiz uma viagem de uma semana pela Polônia. Passei somente um dia e duas noites em Varsóvia. Fiquei na casa da minha amiga Anna, que trabalhava durante o dia, então só me fez companhia à noite. Por isso, passei um dia passeando sozinha. Eu já contei essa história nesse post aqui, mas ela é tão boa, que vou colar ela aqui, pra quem não quiser ler os meus contos ébrios poloneses: "De lá, segui o conselho da Anna, e segui para o museu Copérnico. Desci do tram na paradinha indicada - uma antes do rio, onde dava pra ver o estádio que estava sendo erguido pra Eurocopa 2012. Pra ir do ponto do tram até o museu, eu precisava descer uma escadaria e atravessar uma avenida. E aí que no meio da escadaria eu fui surpreendida por um mendigo com a bunda de fora, que virou seu esguicho de xixi em minha direção. Graças a dio, tive o reflexo de correr antes de ser atingida e, limpinha, decidi que aquilo era um sinal divino pra eu sair fora de museu e ir bater pernocas pela cidade velha. No tram de volta, um cara puxou papo comigo, e me disse que era ator, que a Polônia era só o começo, e logo eu veria ele em Hollywood. Quando eu desci, ele desceu comigo, e fomos batendo papo ao longo da principal avenida da cidade. Lá pelas tantas, coisa de 5 quadras e 10 minutos depois, ele me ofereceu cocaína. Eu demorei 1 minuto pra entender a oferta, e assim que a ficha caiu, bati rapidamente em retirada. Confesso que meu amor pela Polônia era mais forte que nunca... tenho um certo fascínio por gente genuinamente doida, e o país não estava deixando a desejar". Preciso nem dizer que nunca vi esse sujeito em Hollywood, né? 
Moral da história: a Polônia é linda, mas não é para principiantes - este Rei cansado que o diga
* * *
E se continuar cavando, sai mais lembrança da minha cabeça. Quem sabe uma hora faço a parte dois desse post, porque tem história que merece. Como é bom relembrar viagem, né? Alguém me conta uma história por favor?

8 comentários:

  1. Hahaha! Gabi, eu já tenho receio de hostel, você acabou de transformar em fobia! Quando que vc percebeu o roubo do ipod? Não tinha como questionar o sujeito?
    Essa da camareira entrar aconteceu comigo também, num hotel em São Paulo mesmo. Eu fiquei muito irritada, porque a porta estava com aquele aviso de Não Perturbe, sabe? Até reclamei na recepção no check out, mas a recepcionista olhou com aquela cara de "isso acontece sempre". Fala sério!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kari, nada de fobia. Eu tenho experiências ótimas em hostel, mas merdas acontecem, né... Eu percebi que tinha sido um deles quando voltamos pro quarto, eles estavam lá, comecei a fuçar na minha mala, eles começaram a se agitar, se olhar e saíram do quarto. Ai falaram lá fora tipo "ela sabe?" em alemão, só que a minha amiga mora na Alemanha e fala alemão fluente, rs.. Quando ela abriu a porta falando em alemão eles desceram correndo, saíram, e a gente precisava ir pro aeroporto. Já era.

      Sério, apesar desses tipos que a gente pode encontrar em todo canto, ficar em hostel é muito legal. Recomendo muito!

      Excluir
  2. Ai, Gabi!!!!!! Amei que tu se inspirou lá nos meus causos e veio contar os seus tb!
    HAhaha fiquei aqui imaginando teu gritinho com a camareira, que susto hein?
    E que foda isso em Koln, tem que tomar cuidado mesmo ao falar dessas coisas porque tem cada louco por aí! O.O
    O foda é isso, esses loucos e ladrãozinho acabam sujando toda uma imagem de viajantes em hostel, né? Que raiva que pegaram teu Ipod! Eu fico sempre 100% atenta com tudo, mas quando pego já uma amizade e vejo que as pessoas do quarto são legais, eu relaxo total e é nessas que a gente se ferra, porque tem desses que se aproveitam, infelizmente.
    E venha contar mais dos causos pra gente, sempre surge alguma coisa haha capaz que saia uma segunda edição lá pelo blog, se não for só em hostels, com certeza uma em momentos aleatorios em viagens :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse grito virou piada minha com Mateus, porque ele adora imitar e eu caio na gargalhada, foi muito mico! E é isso que você falou: a gente fica toda esperta até achar que está rodeada de gente boa, aí baixa a guarda, né. Mas fazer o que.. acontece.
      Eu pensei em mais algumas histórias, então certeza que tem parte 2, haha.. faz você também!

      Excluir
  3. Ai, guria, isso me faz pensar o quanto é foda viajar sozinha (ou mesmo com uma amiga) sendo mulher, né? É horrível, dá um medo tremendo desses loucos por aí, sabe se lá deus do que são capazes e a gente não pode fazer nada, falar nada, tem que ter cuidado redobrado, ficar sempre se policiando. Imagina pra um homem, como é mil vezes mais de boas. Mas enfim, que bom que deu tudo certo e tu voltou sã e salva de Koln e da Polônia. Deu muitas saudades da Argentina lendo esse post <3


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bem verdade. Tem coisa aí que só aconteceu porque a gente era mulher, tipo esse maluco de Koln, ou o brother maluco da Polonia. Eu não me intimido, não deixo de fazer nada, mas sempre estou com o radar super ligado, sempre alerta, e é um saco viver assim. Uns tempos atrás saiu uma pesquisa que não lembro os termos exatos, mas erae algo do tipo 80% das mulheres preferem encontrar o diabo a noite, mas não um homem. Triste, né? Beijos!

      Excluir
  4. Eu morri de rir com a historia da Polonia, realmente nao e para os fracos nao. Eu tenho varias historias de viagem, se comecar a escrever aqui vai dar um post com 15 partes...kkk, vou pensar em uma engracada e curta pra comentar aqui depois....ate deu um alivio saber que nao sou a unica que passa por situacoes bizarras por ai...rsrsrs.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conta sim, ainda que seja em "fascículos" ahaha. Eu adoro essas histórias.
      Vou dizer que a Polonia foi um caso de amor sério. Parecia que eu estava no "se beber não case" hahaha!

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top