A tal diversidade

Desde que entrei no curso de alemão passei a conviver diariamente com uma fauna bem diversificada. Ao longo desses 3 meses passaram pela sala uma sulafricana, um francês, uma americana, uma dominicana, um espanhol, uma colombiana, uma macedônia, uma polonesa, uma grega, um canadense, uma russa. Além desses, tem o grupo que seguiu junto desde o começo: eu, uma italiana, uma suíça que cresceu fora do país, um saudita e 3 iranianos, sendo um par de irmãs e um outro menino. Esses quatro últimos muçulmanos. 

O dia em que...

... me cansei do layout deste blog, resolvi inventar moda, fiz um monte de cagada, voltei pro layout velho correndo, e ele também ficou cheio de cagada, rs. Em breve vou mudar a cara do bloguinho porque ele ta merecendo roupa nova. Mas enquanto isso, perdoem as fotos meio repuxadas esquisitas. Eu tentei voltar tudo no lugar e quase deu certo, mas em breve eu endireito as coisas. Paciência, migos, paciência <3 

Minhas poucas - e úteis - dicas parisienses

Como celebrei aqui, fiz uma visita atípica a Paris. Conheci mais as ruas que qualquer outra coisa. E sendo ainda uma cidade sobre a qual tem tanto conteúdo na internet, nem me animei a fazer um relato mais detalhado. Mas fiz algumas descobertas logísticas que podem facilitar a sua visita à cidade, e aqui vão elas.

Paris, a conquista

Acabo de voltar de dias chuvosos em Paris. Há alguns anos Paris vinha ocupando o posto de cidade que eu mais queria conhecer no mundo e apesar disso eu não tinha grandes expectativas. Sei que é um lugar meio ame ou odeie, e eu queria ir lá ver. E fui. E amei. 


Acho que foi a viagem mais atípica que já fiz. Primeiro porque fomos em um grupo grande, num reencontro de 7 amigos. E justamente pelo caráter de reencontro, eu não fiz grandes planos. Não queria ver muita coisa, queria ver Paris, queria andar, queria comer e beber bem e bater papo, abraçar e aproveitar. E foi isso que fizemos. Em 3 dias não entramos em nenhum museu - e olha que choveu, viu - não entramos em igreja, não subi na Torre Eiffel, não entramos basicamente em nenhum lugar que não tivesse vinho e carne a preços convidativos, rs. 

Andamos pelo Marais, por Montmartre, por Saint Germain, por Saint Michel, pela beira do Sena, por Grenelle, pelo Quartier Latin. E íamos intercalando andança com comilança. Chegamos a levar 12 horas - e 12 garrafas de vinho - para ir da Torre Eiffel até Notre Dame. Se valeu a pena? VALEU MUITO!  

Eu e Paris ficamos nos cortejando por dias, nos apresentando, nos apaixonando. Andar pelas ruas, admirar suas construções, seus jardins, suas cores e letreiros, sentar num café e observar seus finíssimos habitantes, o andar, a forma de falar e se comportar, tudo isso preencheu meu coração. Gosto muito de repetir viagens, não é segredo. Sinto que eu e Paris começamos um relacionamento, e ainda vamos nos aprofundar muito uma na outra. Reencontros vem por aí <3

* 8 on 8 * Rotina

Nesse mês me juntei a uma iniciativa nascida no Bloggers Out and About, grupo de discussão de viagens no Facebook. Um projeto fotográfico em que no dia 8 de cada mês, 8 blogs publicam 8 fotos sobre um tema. Eu vejo vários blogs participando do que normalmente é um 6 on 6, e gostei muito da ideia de ficar procurando beleza no meu dia a dia pra fazer belas fotos. A verdade é que ando com bastante tempo disponível e me deu vontade de me dedicar mais ao blog, essa terapia que me faz tão bem, e a proposta lá do grupo surgiu em boa hora.

* * *
Para esse mês, sendo o primeiro do projeto, queríamos uma forma de mostrar um pouco do nosso dia a dia através das fotos. O tema então foi Rotina. A rotina nem sempre precisa ser tediosa, e muito menos deve ser encarada como um problema. Viver uma rotina é saudável, traz calma e equilíbrio pra dentro da gente, além de garantir uma certa sanidade. E o tanto de beleza que há em nosso dia a dia? É um exercício que nem sempre fazemos, mas se pararmos para procurar, certeza que vamos encontrar coisas muito belas nos rodeando. 

Todos os dias vou para a escola de alemão no centro, e ao cruzar as pontes de Berna, me lembro que moro numa cidade linda. Não tem melhor jeito de começar a manhã. Ao longo do dia eu curto minha casa, tomo café na varanda, aprecio a minha vista, estudo, faço minhas coisas - inclusive escrever aqui pro blog - no meu canto. Também não poderia deixar de fora as horas mais divertidas da semana: quando me perco na música de piano, desafio o meu corpo e esqueço da vida na aula de ballet. E o melhor? Ir curtir a vida com meu Matinho. Explorar nossa nova cidade, as beleza que ela oferece, a nossa vida em cima de duas rodas, sem se preocupar com trânsito. E assim vamos criando a nossa nova rotina aqui, cheia de cor, de aconchego, de vida. 

Follow @ Instagram

Back to Top