As viagens de 2016

Não tem como pensar em 2016 e não pensar em todas as viagens que fiz. Foi o ano em que eu realizei o sonho de conhecer muitos lugares, de ter experiências marcantes. Ontem, ao chegar da última viagem do ano, foi inevitável pensar em tudo que aconteceu, todos os lugares por onde passei e como todos eles deixaram memórias tão incríveis. Eu estava achando que esse era o post que o blog merecia para acabar o ano, porém rolava uma preguicinha. Pra me dar um empurrãozinho ainda, o Bloggers Out and About propôs esse tema para blogagem coletiva. Desafio aceito :)

* * *
California
Comecei e "terminei" o ano na California. A viagem de agora foi família, foi tranquila, sem muita turistagem, sem muito programa e foi uma delícia. Mas eu estava me sentindo tão em casa que mal parecia que estava viajando. Já a do começo do ano foi mais especial. Foi quando conheci a família de Mati, dormi no seu quarto de criança, vi suas fotinhos, quando me senti criança na Disneyland, e de quebra ainda tiquei uma das minhas viagens dos sonhos: road trip pela Pacific Road. Foram alguns dos dias mais incríveis da vida. Aquelas paisagens maravilhosas, o poder da natureza, daquele oceano grandioso, e me sentir tão pequena mas tão sortuda diante do mundo.   

10 anos depois...

... Pois é, hoje faz 10 anos que eu embarquei no avião que me levou pela primeira vez para fora do Brasil. Eu embarcava rumo ao Wisconsin sem fazer a menor ideia do que encontrar, de como seriam as coisas e, mais que tudo, de como essa viagem mudaria a minha vida. Mudou minha visão de mundo, do que é importante, de como encarar os problemas, a vida e as pessoas. Foram 7 meses de muito drama, diversão, trapalhadas e muito, muuuito, aprendizado. Eu não tenho dúvidas que minha vida não seria como é hoje não tivesse eu ido lá ver um pouco do mundo com meus olhos. E digo isso porque ao voltar de lá eu entrei numa loucura de querer conhecer culturas, gente, de ajudar pessoas, de me aproximar do diferente, coisas que foram me fazendo ser quem sou hoje, e me trazendo pra onde estou. E sei que sem aquela vivência lá eu não teria coragem para viver o que vivo agora. 
Devils Lake, meu lugar favorito

Em 2016 eu...

... fiz muitas coisas que eu nunca tinha feito. Foi de longe o ano mais intenso da minha vida. Teve mudança, teve separações, país novo, vida nova, muitas viagens, muitas aventuras, muito choro. Foi um ano de descobertas, de fortalecer os laços que realmente importam, e deixar aqueles que já estavam fracos se desfazer. Acho que a grande conquista de 2016 foi a super conexão que encontrei comigo mesma.

California here we go

Desculpa gente, mas eu não me acostumei ainda a falar sobre Orange County e não ficar cantando a musiquinha do The OC.

Confesso que não estava das mais animadas para essa viagem. É a segunda vez que passarei o Natal longe da família - a primeira vez foi durante meu intercâmbio nos EUA, mas o clima lá era outro. Pra mim Natal significa calor, Adamantina, comida da minha mãe, cerveja na varanda, dormir na rede, família 24h por dia, saudade do Zeca.

Esse ano não vai ser assim. Meu primeiro Natal de casada, longe da família, mas por outro lado, vai ser meu primeiro Natal junto do meu bebê. E só isso já ajuda a deixar o desanimo pra trás. Mas pra terminar de animar geral eu fui lá xeretar as fotos da nossa viagem em janeiro. E só de olhar pra essas imagens, como num passe de mágica, eu comecei a contar as horas. Se em janeiro eu achei a California gelada, agora mal posso esperar para aproveitar o calorzinho (sim, comparado com a Suíça, né) que me aguarda. Mal posso esperar pelo por do sol maravilhoso no Pacífico, pela comida mexicana e pelas pessoas amadas que lá encontrarei. 

* 8 on 8 * Fim de Ano

O tema do projeto fotográfico esse mês é "fim de ano". Pra mim fim de ano tem cara de Natal, de luzes, de festas. Tem cara de férias, de presente, de diversão. Esse ano, além de tudo isso, o fim de ano é escuro e ainda tem cara de frio! O inverno chegou com força aqui em Berna, e as temperaturas estão negativas todos os dias, com direito a muita geada, mas também muito vinho quente pra esquentar. Os dias são curtos, e se eu não ficar esperta, sem que eu perceba o dia acaba. É um fim de ano diferente pra mim, e por isso muito especial <3
* * *

Sobre novembro

Novembro foi um mês tão foda que merece um post só pra ele. Foi durante esse mês que percebi que estou muito a vontade na minha nova vida aqui, que me sinto em casa. Só isso já vale. Foi também em novembro que presenciei o mais belo espetáculo das cores de outono, e que ganhei a primeira neve de presente. Em novembro recebi visitas, reencontrei amigos, conheci dois países e realizei um sonho. Em novembro concluí o A1, nível básico de alemão, e comecei a sentir a diferença de saber o mínimo no meu dia a dia. A casa ficou praticamente pronta, e aquela sensação de que não falta nada é muito satisfatória. E mais que tudo: foi quando recebi um grupo de amigas pela primeira vez aqui. Mateus recebeu os amigos dele. Fomos convidados para algumas festas #vidaosocialbombando. No dia 30 saímos para achar a nossa árvore de Natal. Voltamos e a botamos em pé. Teve drama? Teve sim. Porque sempre tem. Chorei de saudade do meu bebê, chorei de raiva do meu visto, chorei porque ando com tempo de sobra e chorar me alivia a alma, não me deixa guardar sentimentos ruins. E assim vou contemplando a sensação de estar me sentindo bem, de ver as coisas se ajeitando, de ver a vida seguindo. Novembro foi isso: foi ver a vida aqui se assentar.
Tremidos mas felizes com o primeiro reencontro

Follow @ Instagram

Back to Top