Nêuchatel

Teve um dia aí das férias que de tanto viajar, andar, nadar e observar eu acordei exausta. Minhas pernas doíam, costas, e eu quase chorei que não queria sair da cama hahaha. Aí resolvemos fazer umas mudanças nos planos e ir pra um lugar mais perto de casa. O destino traçado foi pra Nêuchatel, um cantão francês próximo ao Cantão de Berna. Porééém, para me dar folga pero no mucho, Mati achou um jeito diferente de chegar na cidade de Nêuchatel: um cruzeiro por dois lagos. 

Foi assim que fomos parar em Murten, uma pequenina cidade medieval na beira de um lago. A cidade data de 1170, e pra mim isso é muito surreal. A gente é Brasil, né... em 1500 tinha índio lá deitado na rede (nada contra, alias, volta índio, deu tudo errado), e aí a gente se depara com o povo se amuralhando e fazendo baile da corte em 1200 e eu fico bem de cara. 




Nós acabamos só dando uma voltinha de leve na cidade, pois a nossa ida até lá tinha como único propósito pegar o barco. Mas fiquei bem encantada, e dado que fica a meia hora daqui e tenho uma amiga croata que mora lá, qualquer hora voltamos para olhar Murten com mais calma. 

Pegamos então o barco que sai do Lago Murten, passa pelo Canal de la Broye, passa pelo lago Nêuchatel e prossegue até Biel. O passeio até é gostoso, mas é longo gente. Não olhamos direito e não vimos que ele durava quase duas horas hehe. E debaixo de um sol daqueles. Mas ok, já que estávamos lá, nos pusemos a observar, fotografar e papear. O barco é grande, bem bonito, a tripulação toda vestidinha de branco e marinho, toca aquela buzina bem linda conforme vai encostando nas cidades. É uma belíssima experiência, eu só preferia que fosse mais curta haha.
A saída do porto em Murten
As vistas durante a viagem
Muito azul <3
Chegamos em Nêuchatel derretendo de calor e fomos logo achar uma praia na beira do lago. A água estava uma delícia também, como em Montreux. Nem deu um gelo na espinha ao entrar, coisa normal aqui pelos lagos suíços haha. Ficamos por ali refrescando até nos sentirmos prontos pra voltar pra debaixo do sol escaldante. Fez 32 graus aquele dia em Nêuchatel - e tem gente que ainda acha que não tem verão na Suíça... 
Chegando em Nêuchatel
As casinhas coloridas na beira do porto
Os inúmeros barcos... eu adoro essa paisagem tipicamente praiana



Depois de andar pela belíssima orla da cidade, e sentir todo um clima de cidade praiana, resolvemos ir conhecer a cidade velha. Assim como quase tudo na Suíça, rs, os primeiros registros oficiais da cidade é dos idos de 1100. Mas lá pela cidade li sobre um site onde foram encontradas ruínas datadas de 3500 antes de Cristo. A cidade velha é linda de doer, super charmosa, cheia de vielas, fontes e praças. No topo uma praça enorme com a igreja que se conecta ao Castelo que da nome à cidade. Infelizmente não conseguimos visitar nada por dentro, mas sem problemas. Sentamos por ali e fizemos nosso picnic. 

A igreja e a vista espetacular de seu terraço
Na cidade tem outras coisas pra fazer: é possível visitar o tal site arqueológico que mencionei (fica um pouco fora, mas gente, por aqui é tudo super perto), Museu de História Natural, até um Museu do Absinto, rs. Se é bom ou não, não sei. Mas a real é que achei a cidade tão charmosa, tão outdorsey, um climinha tão bom, e ainda somado o meu cansaço, que eu tava sem pique pra turistar mais. Então ficamos ali, sentados pelo centro, curtindo a vista por cima dos telhados para aquele lagão azul, com barcos à vela branquinhos, até a hora de pegar o rumo de casa.

Ruas fofíssimas
E eu de boa curtindo muito o verão suíço

2 comentários:

Follow @ Instagram

Back to Top