Moscou - A chegada

Meus posts sobre Moscou estão empacados desde janeiro, e eu acho que está difícil pra eu contar sobre a cidade porque a nossa estada lá fui muito curta, porém muito impactante. Fizemos muitas coisas em pouco tempo, e acima de tudo, fomos MUITO surpreendidos. Eu imaginava Moscou uma cidade cinza, meio sombria, meio feia, suja, certamente caótica. E o que eu encontrei lá foi um belo tapa na minha cara. Moscou é linda!

Depois de tanto quebrar a cabeça pra pensar em como contar tudo que fizemos por lá, resolvi que valia a pena dividir por dia. Fizemos coisas suficientes pra encher três posts ;)

Depois de nove horas de voo saindo de Bangkok, chegamos no aeroporto de Sheremetyevo, e meu primo, que é casado com uma russa e visita o país com frequência, já tinha me alertado que a gente precisava ser duro na queda, porque ali o golpe é certo rs. De Sheremetyevo é possível pegar um trem até uma estação central, e então trocar pra metrô. Acho que com acesso a internet, paciência e tempo, é possível. A gente estava bem cansado, e queria "chegar" logo. Optamos por taxi. Meu primo disse que a nossa corrida não deveria dar mais que 1800 rublos (divide por 17 e dá o valor em reais). Devo dizer que a primeira oferta de taxi queria cobrar 7500 !!!!!! Sério gente... é FODA. Eu fiquei bastante frustrada, porque estava exausta, estava frio (e eu vindo da Tailandia), e nenhum taxista queria ligar taxímetro. E muita gente rodeando, um caos. Isso estava acontecendo pra provar meu preconceito de que estávamos adentrando um território de bagunça, rs. Depois de muita negociação, encheção e frustração, cedemos e combinamos um taxi a 2400. Fica aí essa dica... Seja firme na negociação, tenha paciência e força, rs.

No caminho para a cidade, comecei a perceber as grandes lojas, grandes marcas, todas com seus nomes em cirílico: Leroy Merlin, Burger King, McDonalds, etc. O bom humor foi voltando ao meu sistema, e chegamos no nosso hotel, um Ibis na praça Kyevskaya. Meu primo já estava esperando a gente, e saímos rapidinho pra conhecer a cidade. Passando de carro eu já percebi que Moscou não era bem a zona que eu imaginava: avenidas largas, limpas, prédios históricos e edifícios modernos se misturando, uma empolgação crescendo dentro de mim.
Sim, sim claro...
Nossa primeira parada foi a Arbat, a principal rua turística de Moscou. É tipo um boulevard, fechado somente para pedestres, cheios de lojas de souvenir, artistas de rua. Por ali tem também várias redes, inclusive um Shake Shack hahaha. Ficamos passeando, olhando as lojinhas, e curtindo um clima Natalino (!!!). Chegamos em Moscou na quinta-feira que antecede o Natal ortodoxo, e a cidade estava toda no clima, bem delicinha.

Os contrastes de Moscou
De lá seguimos para um dos famosos rooftops de Moscou, o White Rabbit. Ele fica no topo de um edifício comercial, no centro de Moscou. A ideia era tomar uns drinks e apreciar a vista, que é belíssima. Uma das iguarias típicas de Moscou é o caviar, e ali resolvemos iniciar os trabalhos, rs: comemos um blini de caviar. O blini é tipo um crepezinho típico russo, e estava bem gostoso. Pra beber: shot de vodka, claro. O ambiente era todo chic, e eu percebi que não tenho roupa pra frequentar a Rússia hahaha. A mulherada é absurdamente produzida, maquiada, chic de doer, e os garçons e hostess realmente de medem de cima abaixo.

Fomos dormir passando das duas horas da manhã, e eu estava muito, muuuito feliz de estar em Moscou, de estar com meu primo. Foi um dia de reunião familiar, e de celebração. Moscou já estava ganhando meu coração <3

* as fotos desse post são poucas e umas belas porcarias rs... mas é que estava de noite, cansados, somente com o celular, e eu doida pra botar a conversa em dia com a meu primo, mal lembrei de fotografar, sorry. Prometo melhores para os próximos posts.

8 comentários:

  1. Yaay posts sobre a Russia!
    E que bela dica do seu primo pra já chegar preparada pra ser duro na queda hahaha
    Acho que visitar Moscou deve ser uma experiência muito doida, só fico imaginando com relatos de pessoas que já foram.. e morrendo de vontade de ver tudo com meus próprios olhos um dia. Engraçado que eu penso em Moscou como uma cidade colorida e muito doida e vibrante. haha
    Beijos e já ansiosa pelos proximos posts :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho tanta coisa pra postar, mas cadê inspiração, rs?
      Você vai amar Moscou!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Eu voltei apaixonada. To buscando inspiração pra fazer O post que Moscou merece!

      Excluir
  3. Estava curiosíssima por esses posts sobre Moscou. Acompanhei os stories e vi algumas semelhanças com Kiev e adorei o conselho do teu primo hahhaha. Sempre ouço que a Rússia não é para os fracos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, não é mesmo hahaha.. Mas confesso que por essas e outras, eu achava que ia ser mais terra de ninguém, mais zoneado. E achei uma belíssima cidade. Deve ter muitas semelhanças com Kiev sim!

      Excluir
  4. Tenho uma amiga que foi pra Rússia e passou poucas e boas nessa história de tentativas de golpe, os caras dando um de joão-sem-braço e tal. Muito bom ter uma dica já certa, porque você já vai mais preparado, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito frustrante.. se meu primo não tivesse dado um norte no valor, acho que teríamos pago coisa de 5, 6 mil rublos num taxi. E no fim, negociamos e pagamos 2400. Mas ainda assim, foi caro. Na volta, do hotel pro aeroporto, pela primeira (e única vez) ligaram o taxímetro ( taxi solicitado pelo hotel, né) e deu 1700 a corrida, bem coerente com o que meu primo tinha dito. Ou seja, enfiam a faca e torcem o turista.

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top