Novembro Intenso

Eu ainda to me beliscando que novembro ta acabando e meu deus do céu, é natal...
Oi bininas, tutu bom?
Novembro foi um mês intenso, cansativo, dramático, babaaaaado nessa minha vida hahaha, e eu vou fazer recap sim porque to eu mesma ficando meio de boca aberta com tanta coisa que aconteceu rs. 

Começamos o mês numa viagem do vôlei da escola de Mati. Não sei se já comentei por aqui, mas além de professor, ele é técnico de vôlei do time feminino da escola e quando há viagens, é necessário sempre que uma mulher acompanhe e eu normalmente me voluntario para fazer esse serviço rs (me voluntariava, porque ao fim dessa viagem rolou um mini drama, teve um email mega mal criado de um pai, e eu resolvi que num sou nem paga nem treinada pra lidar com essa patifaria, portanto encerrei minha carreira de chaperon voluntária rs). Mas voltemos a Lausanne, rs. Mati conseguiu que um colega dividisse o trabalho com ele, ficando com as meninas até as 15h do primeiro dia de torneio, e por isso a gente conseguiu passear por Lausanne, cidade que adoro, abrir a temporada de fondue, curtir um pouquinho, e foi delícia demais! Acabei só fazendo uns stories e nada de fotos, mas pra fins de ilustração, vai foto de stories mesmo (e lembrem: visitem Lausanne, é linda :)
No fim de semana seguinte fomos para Budapeste, numa viagem que não pensei muito e agendei uns meses atrás numa promoção da Easy Jet. Eu morria de vontade de conhecer a cidade, sempre li maravilhas sobre. Budapeste é linda mesmo como todos dizem, tem hora que até te tira o fôlego. Mas devo dizer que me lembrou bastante Praga, e mais, acho que uma Praga com ainda mais resquícios de comunismo. Acho que Budapeste foi o lugar (tirando a Rússia, claro) em que essa lembrança do comunismo se fez mais presente . Foram dois dias inteiros, intensos, em que conseguimos fazer quase tudo que queríamos sem ter que correr por aí. Comemos bem, curtimos a cidade e ficamos cheios de  boas lembranças <3 
E como nem só de viagens e programinhas românticos é feita a vida, novembro teve seu lado bem bandido. Contei no começo do ano que comecei uma pós graduação. As aulas do curso acabaram sexta-feira, e agora só me falta entregar um paper, cujo prazo é fevereiro. MAS... antes de acabar, deve um bendito estudo de caso em grupo. Apesar de termos dois meses pra fazer, é claro que foram nas últimas semanas que o bicho pegou. Teve colega folgadésima não entregando nada, teve choro, teve noites mal dormidas, mas no fim, teve apresentação, uma sabatina feroz, e teve aprovação. Ta mais do que bom. 

Teve também trabalho, muito trabalho. Eu contei que estou fazendo um estágio, né? E por mais valiosa que esteja sendo a experiência, não vou ser besta, a verdade é que eu quero um emprego fixo, um salário compatível com minha experiência, um sossego pra minha vida. E como já é sabido, no pain, no gain. Eu to trabalhando que nem doida, tentando mostrar pra essa galera que, apesar de toda a loucura envolvida, eu sou um belo asset pro time rs. Eu estou trabalhando com coisas muito interessantes, mas que são novidades pra mim, então além do esforço natural que é mostrar serviço, eu to tendo que estudar bastante, aprender, dar com a cara na parede, enfim... ta sendo uma experiência interessante, mas exaustiva. 

Por fim, estamos de mudança. Olha que maravilha? Hahaha.. na verdade, só nos mudamos em fevereiro. Mas desde o fim de setembro estávamos procurando um novo lar pra chamar de nosso, e isso na Suíça é quase um emprego integral rs. Quando chegamos por aqui queríamos morar no centro da cidade, mas não sabíamos quando eu iria trabalhar, e optamos por um bairro um pouco mais afastado e por isso mais em conta. Gosto muito de de Ostermundigen, o bairro em que moro, mas depois de dois anos, estamos com saudades de viver na "muvuca" (bem entre aspas, porque em Berna não tem muvuca, rs). Isso aliado à minha rotina de viajar pra Zurich todos os dias facilitou a decisão de começar a procurar. Foram uns 45 dias visitando apartamentos quase todos os dias, preparando papelada pra application, escrevendo cartinhas, quase se humilhando e pedindo pelamordedeeeeeusss me deixa morar aí, encaixando essas visitas na nossa rotina louca. Se você me segue no instagram e viu várias casinhas fofinhas pelos stories, era eu explorando possíveis bairros haha. Mas enfim, achamos um canto pra chamar de nosso, finalmente. Agora é hora de começar a planejar essa mudança. 
Mas sabe o que é melhor mesmo? É que a vida ta tão, mas tão agitada, ando tão ocupada, que não deu tempo pra sentir depressão de inverno. Me lembro bem que desde que cheguei aqui, acaba o verão e  nessa altura do ano eu estava imprestável, chorosa, deprimida e derrubada. Os dias curtos, cinzas, cheios de névoa, sugavam minha energia e tudo era muito difícil. Esse ano, pelo menos por enquanto, não tive nem tempo de me deprimir. E sim, essa sou eu tentando olhar o lado bom das coisas, porque no fim, eu descobri que sou essa pessoa haha.. 

E novembro foi isso daí. Agora é hora de encher a banheira, botar uma músiquinha, acender uma vela, descansar as pernas e começar a pensar no que que eu fiz de 2018, e o que eu quero pra 2019. No fim, a gente tira um sarro da Simone, mas convenhamos que chega fim de novembro, a gente fica assim mesmo, né... então é Natal e o que você fez?!

The Office, Suíça

É meio inacreditável, mas já faz três meses que estou trabalhando. Depois de um começo meio sofrido, eu finalmente peguei ritmo, comecei a entender melhor a estrutura da empresa, a me sentir confortável e segura no que tenho que fazer. As coisas andam indo super bem, e eu já obtive um excelente retorno pela minha "coragem" de fazer, nessas alturas da vida, um estágio (ou returnship, como diz minha chefe). Mas é óbvio que as coisas são bem diferentes aqui do que no Brasil, e eu achei legal dar uma comparada com as nas principais diferenças que vejo na vida corporativa da Suíça. Voilà. 

Horários
Se por um lado aqui as coisas me parecem bem mais flexíveis (muitas pessoas trabalham part time, tipo 60%, 80%, etc), por outro tem algumas coisas bem determinadas: horário de chegada e de saída. O pessoal aqui chega em geral até que cedo, mas saí também cedo: entre 17 e 18h o escritório esvazia. E não tem desculpa, ninguém fica sem jeito, nada, deu 17h, o povo fecha o computador, levanta e vai embora. Não posso falar pelo Brasil inteiro, mas na minha vida inteira em SP, quem ia embora antes das 18:30, "estava desmotivado" e era mal visto. Mesmo no meu antigo emprego em que eu podia trabalhar de casa, eu estava à disposição até bem mais tarde do que isso. Aqui não tem essa, e o balanço entre vida pessoal e profissional é mais respeitado. 

Produtividade
Se por um lado o povo sai mais cedo, devo dizer que rola bem menos cafezinho e horário de almoço. A galera aqui é bem pá pum, e não fica "disperdiçando" tempo fora de casa. No Brasil a gente sempre faz 1h de almoço (direito legal, incluive), e toma vários cafézinhos ao longo do dia. Aqui percebo que a galera toma um café de manhã, outro depois do almoço e rapidinho (meu horário aqui é de 30 minutos), e nada também de ficar enrolando muito pela internet da vida. Enquanto estão sentados em frente ao computador, estão rendendo. Resumindo: passam menos tempo no trabalho porque são mais efetivos. E isso não é um elogio ou uma crítica, apenas uma constatação. 

Dress Code
Um tanto mais relaxado, rs. Não que as pessoas não se vistam profissionalmente, mas vejo muito mais jeans, sandália rasteira (no verão) e tênis do que é aceitável num escritório no Brasil. Também fiquei meio abismada com o tanto de mini saia rs... A real é que dress code não me parece um tema, sabe? Acho que se você trabalhar com público, talvez seja. Mas mesmo estando numa empresa de serviços financeiros, percebi que não tem orientação, não tem regra.

Cantina
O direito ao Vale Refeição como conhecemos não existe na Suíça. A maioria dass empresas grandes, no entanto, tem cantinas onde a refeição é subsidiada, saindo mais barato do que ir a um restaurante. Isso acaba contribuindo, claro, para que o horário do almoço seja mais curto do que conhecemos no Brasil. Eu no começo ficava meio broxada de não sair, tomar um ar, ver gente diferente. Agora que acostumei - e que o inverno chegou rs - já não ligo mais de almoçar na cantina todo dia. Além do que, pra quem é mais despachado, é uma ótima oportunidade de fazer networking. 

Sitting 
Por fim, uma particularidade que acho que não é suíça, mas da minha empresa. Eles tem espaço dinâmico, ou seja, são estações equipadas com monitores, dockstation, telefones, você chega todo dia com seu laptop e senta onde quiser, é só conectar o computador no dockstation e digitar seu código no telefone. Pois bem. Sabe o que as pessoas fazem? Isso mesmo, sentam todo dia no mesmo lugar hahaha.. 

Pessoal que trabalha em outros países, alguma diferença?

Follow @ Instagram

Back to Top