Mobility: carro compartilhado na Suíça

Desde que chegamos aqui a gente sempre reparou nos carros vermelhinhos espalhados por Berna. Eles estão por todos os lugares. Mobility é uma cooperativa para compartilhamento de carros e para utiliza-los você pode se tornar um cooperado, pagando uma anuidade, ou pagar somente quando quiser usar. O custo de um aluguel varia com o tempo que você fica com o carro, e com a quilometragem usada. Se você for cooperado, tempo/quilometragem são mais baratos. Eles estão pela Suíça inteira, ouso dizer que por tudo que é bairro das cidades maiores. Os carros são dos mais diversos tamanhos: tem mini, tem compacto, tem perua, tem van, etc. Você escolhe de acordo com a necessidade do dia. A gente não tem carro aqui, e ter a possibildiade do Mobility também nos ajudou a relaxar nesse sentido. A gente quase nunca precisa de carro, mas se precisar, é só recorrer a um vermelhinho (isso no caso de pequenas distâncias, necessidades e passeios curtos. Se a ideia é ir mais longe, ou passar alguns dias, o ideal é fazer aluguel normal mesmo). Como sei que o compartilhamento de carro é uma tendência mundo agora, achei legal vir falar do Mobility e saber como que é em outros lugares. Voilà. 

Registro
O registro é feito através do site. Primeiramente você precisa decidir o que vale mais a pena pra você, ser cooperado com taxa anual (pra quem pretende usar o carro com mais frequencia) ou o Click&Drive, que é pra não cooperado, sem taxa e com um valor de aluguel um pouco mais alto. O requerimento básico é ter carta de motorista suíça (sim, turista não usa Mobility rs). Você faz o registro com seus dados pessoais, e anexa a frente e o verso da carta de motorista. Em menos de 1 hora recebi a aprovação do registro, e tava feito. 

Reserva
Através do app da Mobility é possível gerenciar tudo. Ta precisando de um carro? Entra lá, e é possível ver os carros perto de você, ou ainda escolher o tipo de carro que você precisa (tipo um van pra ir na Ikea) e ver onde tem um mais próximo. Então você coloca suas datas, estima o tempo que vai ficar com o carro, e pronto, ta feita a reserva. 

Retirada 
Não sei bem quais as outras possibilidades, mas eu atrelei o Mobility ao meu Swiss Pass, que é o cartão de transporte suíço. Então você vai até o carro reservado, e abre ele colocando o seu Swiss Pass no para-brisa, onde eles indicam. O carro abre automaticamente, e pronto, só sair dirigindo rs. 

Uso
Das grandes vantagens do Mobility: você ta automaticamente segurado, e também não precisa pagar combustível, é só ir num posto Shell credenciado (quase todos que eu vejo, são) e abastacer. Quando você para nos lugares, você tranca e reabre o carro com o Swiss Pass no pára-brisa, super prático.

Devolução
A devolução deve ser feita no mesmo lugar da retirada, e isso as vezes pode ser meio saco. Mas no geral, quem usa retira perto de casa, e devolve também, então ok. Se você quiser devolver mais cedo do que colocou na reserva, é possível no app terminar seu aluguel antecipadamente (e assim economizar uns dinheirinhos). Tem lá a opção Terminate. Se você se atrasou e vai precisar demorar mais, entra lá e arruma o horário de aluguel também fazendo uma alteração na sua reserva. Se tiver alguém agendado pra usar o carro logo depois de você, não é possível fazer alteração, e as multas de atraso são bem caras. Mas se não tiver, eles aceitam a alteração automaticamente.  

Pagamento
Você escolhe o modo de pagamento quando está fazendo seu registro. Tem opção cartão de crédito, smart pay e boleto. Eu, boa brasileirinha que sou, sou chegada num boleto hahaha. 

Acho que no geral, o uso do Mobility é bem simples. No site deles também é possível fazer um cálculo de qualto vai custar o seu aluguel, e aí você pode calcular direitinho e ver o que vale mais a pena. Ah... e falando em mobility, a Suíça ta cheia de shared bike, shared patinete. A hora que usar eu venho aqui contar :)

Esquiando nosTrois Vallées, França

Assim que assinei o contrato de 6 meses de trabalho em julho do ano passado, eu já agendei férias para quando o contrato acabasse rs. O fim do meu contrato coincidia com as férias escolares de Mati (aqui na Suíça, e acho que na Europa em geral, as escolas tem um break em fevereiro). Férias de esqui são caras, e tem que ser planejadas com antecedência, então mesmo em julho eu não consegui achar acomodações baratíssimas. O que quero dizer com isso é que, pra quem ta pensando em tirar um break desse ano que vem, jajá é hora de começar a se planejar. 

Na época escolhi a região dos Três Vales - Courchevel, a prima ryca e famosa, Meribel, onde ficamos, e Val Thorens, porque li bastante sobre, e vi que era a maior área de esqui do mundo (600km de pistas no total), com slopes de todos os níveis. Por mais que eu esquie com alguma frequência no inverno aqui, meu nível ainda não é maravilhoso não, e eu prefiro ficar nas pistas azuis (para efeito informativo, o nível das pistas, do mais fácil para o mais difícil, é verde < azul < vermelha < preta). Aqui na Suíça não existe pista verde, os resorts tem pistas azuis, mas tem mais pistas vermelhas, o que dificulta pra mim. Lá na região é possível ir de uma vila pra outra só esquiando por pistas azuis, e esquiar vários dias sem sequer repetir. Ideal. Além de tudo, a viagem de carro aqui de Berna dura mais ou menos 4 horas somente, dependendo do trânsito. A título de informação, o aeroporto mais próximo é o de Genebra, de onde é possível pegar transfers etc. Mas nós alugamos um carro mesmo, e fomos. 

Eu escolhi Meribel por ser o vale do meio, e menos badalado - e caro - que os outros. Achei a escolha acertadíssima, porque a vila é bem fofinha, e sem afetação. No dia que fomos esquiando até Courchevel, já fiquei meio passada com a montação da galera, tanto pra esquiar quanto pra flanar rs. Em Meribel o esquema é mais pé no chão, todo mundo numa pegada mais esportiva mesmo. Por lá os dias começam cedo, todo mundo indo pros lifts por volta das 9h, passando o dia subindo e descendo montanha, tomando uma cervejinha entre uma coisa e outra, curtindo um après ski (a baladinha no fim do dia) e caindo morto na cama no máximo as 10 da noite rs. Claro que pra quem quiser tem balada, mas nem preciso dizer que não chegamos perto haha. 
Fim do dia e nós voltando para Meribel, essa vila embaixo do morro
Pelas ruas de Meribel
Comemos muito bem, em restaurantes pra todos os bolsos. Alguns dias um esquema mais budget, outros normal, e na nossa última noite, um jantar francês bem chique. Meribel tem um pouquinho de tudo. Bebemos muito bem também rs... Quase todos os dias, chegando no hotel, a gente ia ao mercado, comprava umas garrafas de vinho francês, e bebíamos na varanda. Olha que belezinha de fim de dia? 
Ficamos num hotel beeeeem budget, digamos que um patamar acima de hostel, e ele era muito bem localizado, com um bar e restaurante ótimo, mas MUITO barulhento. O vizinhos falavam dentro do quarto deles e eu achava que tinham entrado no nosso quarto. Barulho da rua também, dava pra ouvir tudo. Pra melhorar, eles fizeram algumas baladinhas no bar alguns dias, e não teve plug auricular que desse jeito. Enfim, para o esquema budget que estávamos, em que a outra opção era não viajar rs, recomendo. Mas espero numa próxima poder ficar num lugar com mais paz haha. O nome é La Taverna. Mas sem dúvidas, se voltar a Meribel, voltarei para comer no restaurante deles, comida excelente com precinho justo. 

Mas nós fomos pra esquiar, e nesse quesito foi tudo sucesso. Pegamos dias ensolarados maravilhosos, e a região é um baita acerto. Tem, realmente, muita pista para iniciante e intermediários. Assim, MUITA. Claro que tem também muita gente, mas é tanta pista, que as vezes a gente se pegava sozinho no meio do nada. Passamos 5 dias lá, e esquiamos 4 (um dia fizemos uma pausa porque as dores estavam osso rs), e repetimos pouquíssimas pistas. É possível passar dias por lá só vendo paisagens novas, pingando de vilinha em vilinha. Fomos para Courchevel, St. Martin, Mottaret, etc. Também dá pra ir atrás dos bares animadíssimos pelas montanhas. 
Cap Horn, um dos bares badalados em Courchevel
La Folie Douce, a balada mais cafona e divertida rs
Enfim, eu já falei bastante de esqui pela Suíça, mas se eu pudesse recomendar um lugar pra quem quer aprender a esquiar e curtir, eu recomendaria a região do Trois Vallées com força. Apesar de ainda ser cara (ainda estamos falando dos Alpes franceses, rs), é beeeem mais barato do que na Suíça, e tem muito mais opção de pistas. E pra coroar, a região de Savoya, onde ficam os vales, é também famosa por seus queijos, e por lá da pra comer fondue, raclette, e muita coisa maravilhosa. Se endividar em francos pra que?! 

Follow @ Instagram

Back to Top