Cycle Chic

Eu nasci e cresci em Pariquera-Açu, interior de SP. Lá, ter uma bicicleta é (ou era, no meu tempo), ter liberdade. Bicicleta era um meio de locomoção como outro qualquer, e eu vivia em cima da minha: pra ir brincar na casa de amigos, ir às aulas de jazz, inglês, kumon, piano, ir ao mercado, ir pra todo lugar. Então quando me mudei pra SP e fazer tudo de bicicleta não era possível, eu meio que esqueci dela. E eu nunca me animava quando amigas me chamavam pra "andar de bicicleta no parque". Sei lá, pra mim andar de bicicleta nunca foi uma atividade em si. Era pra me levar do ponto A ao B. E justamente por isso, pra mim nunca existiu isso de usar roupa de ciclista. Simplesmente porque, sendo a bike um meio de transporte, eu me vestia para onde estava indo, e a bike era só o veículo. 

Corta pra 2012. Eu já estava andando com as bikes do Itaú nos finais de semana, para ir no cinema na Paulista, encontrar amigos em Moema. Um dia eu estava na ciclovia da Faria Lima, de saia e rasteira. Passou uma ciclista toda paramentada e num semáforo vermelho que estávamos as duas paradas ela me deu um pito: você não está vestida direito, se sofrer um acidente se machuca toda. E eu só mandei ela cuidar da vida dela e fui embora pensando será que agora só é possível pedalar pronto pra participar de corrida olímpica? Eis que um belo dia, andando pela Livriaria da Vila, eu me deparei com um livro de fotografias: Cycle Chic

Comprei na hora, voltei pra casa e fui atrás do blog. Devorei o livro, o blog, e tudo mais em poucas horas: eu tinha achado minha turma, e tava empolgadíssima rs. O movimento "Cycle Chic" foi fundado por um dinamarquês em 2008, falando exatamente isso, sobre como a bicicleta é o veículo. Eles tinham até um manifesto (!!!):

- I choose to cycle chic and, at every opportunity, I will choose Style over Speed.

- I embrace my responsibility to contribute visually to a more aesthetically pleasing urban landscape.

- I am aware that my mere presence in said urban landscape will inspire others without me being labelled as a 'bicycle activist'.

- I will ride with grace, elegance and dignity.

- I will choose a bicycle that reflects my personality and style.

- I will, however, regard my bicycle as transport and as a mere supplement to my own personal style. Allowing my bike to upstage me is unacceptable.

- I will endeavor to ensure that the total value of my clothes always exceeds that of my bicycle.

- I will accessorize in accordance with the standards of a bicycle culture and acquire, where possible, a chain guard, kickstand, skirt guard, fenders, bell and basket.

- I will respect the traffic laws.

- I will refrain from wearing and owning any form of 'cycle wear'. 

Alguns desses itens eu acho meio engraçados (e entendo também que em algumas cidades tem regras que demandam uma outra postura), mas eu me identifiquei demais com o 6o item: eu vou considerar a minha bicicleta meio meio de transporte e um suplemento ao meu estilo. Enquanto eu lia o livro, e via as cidades em que eles fotografaram, é claro que eu lembrei que as grandes metrópoles brasileiras não são receptivas para com bicicleta e o ciclista. Acho que tinha uma ou duas fotos na orla do Rio, e só. Mas mesmo assim, lembro que desde aquele dia, eu voltei a me sentir menos ET quando andava de bike com SP de saia, e até salto rs. 
De saia e na bicicletinha, indo pro encontro das migues
Desde que mudamos pra Suíça, a bicicleta voltou com tudo pra minha vida. Eu uso a bicicleta como meio de transporte mesmo, e inclusive por três anos aqui, nós nem tivemos carro. Além de ir pra escola, pra casa de amigos, pra bares, happy hours, pra balada, já até carreguei móveis na bicicleta. Verão passado levei uma bike pra Zurich, e comecei a fazer o trajeto entre a estação e o escritório na magrela, o que me rendeu uns belíssimos looks rs. 

Enfim, esse blog não é de moda, é sobre minha vida. Mas eu ontem tava folheando esse livro de novo, e me senti mais uma vez super inspirada, e quis dividir essa inspiração. Resolvi dar uma passada no rolo de câmera e achei umas fotos legais de dias em que eu tava chic na bike, e quis registrar aqui. Mas recomendo super dar uma olhada no blog, e além de ver uns belos looks, viajar por cidades super bike friendly.

E uma das minhas fotos favoritas <3

E abrindo o post, uma foto minha cycling chic em Copenhagen, a cidade onde tudo começou :) 

6 comentários:

  1. sou super partidária disso aí (não que eu seja chique em qualquer momento, seja na bike ou fora dela, hahaha), mas tenho pensado em me render às roupinhas de ciclista por uma questão prática: minha bunda dói! agora com a quarentena tenho feito uns passeios de mais de duas horas e aí não rola ficar com dor na bunda... vou ter que me curvar às almofadinhas de bunda, não vai ter jeito :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que meu máximo com roupa de vida normal foi 20km mesmo.. mais do que isso não dá, e acho que nem quero ahahaha

      Excluir
  2. ainda estou aprendendo as roupas certas para usar quando vou andar de bicicleta. a bolsinha a tira colo não rola pra mim, me atrapalha. acabei adotando a mochila. tem um casaco mais compridinho que eu tenho que lembrar de puxar ele pra cima pq ele prende no banco da bicicleta quando eu paro no sinal (pernas curtas, preciso descer do banco pra colocar o pé no chão). enfim, vivenders e aprendenders.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tem total essas coisas.. coisa comprida é difícil, porque realmente enrosca na bike. Outra coisa é que eu pedalo a toda de saia, mas tem que ser saia que da liberdade pras pernas rs... teve uma que usei no verão e foi um dia só hahaha mal conseguia pedalar. Conforme a gente vai pegando as manhas, vai ficando mais fácil!

      Excluir
  3. ahhh você é chique demais! mas eu sou dessas pessoas que só andam de bicicleta no parque, sou super estabanada, fico com medo do trânsito, entre em pânico, enfim... além do condicionamento físico que nao combina com as subidas dessa cidade, hehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Logo que cheguei aqui fiquei com medinho também. E CLARO que no primeiro dia que cruzei uma linha de tram com a bike, me esborrachei no chão rs.. mas acostumei, inclusive com (algumas) subidas.. Vamos pedalar essa Zurich todaaaa!

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top