3 dias no Ticino, a Suíça italiana

Como eu dizia em algum post por aí, os planos de verão (e de primavera, e potencialmente de outono e inverno rs) escorreram pelo ralo. E quando a gente estava aqui pensando o que fazer com a minha única semana de férias no verão, começou a cair a ficha que nos restaria o inevitável Ticino rs. Veja bem, eu AMO a Suíça italiana. Amo o clima, a vibe balneário mediterrâneo, as palmeiras, a comida italiana, o povo falando essa língua maravegliosa e tudo mais. Porém eu amo, e a Suíça inteira ama, e é assim que verão no Ticino é bombado, com direito é trânsito dos infernos pra cruzar o São Gotardo, o túnel que liga a região central da Suíça à parte italiana. Mas capitulamos. Alugamos um apartamento, e voilà, acordamos tarde num domingo de tempo meio feio em Zurich, tomamos um café, Carlito na gaiola e bora. 

Carlito cruzando os Alpes 

O São Gotardo é uma obra faraônica da qual a Suíça muito se orgulha, um túnel de 17km de extensão, cortando uma das montanhas do maciço de Saint Gothardo, e facilitando a vida dos viajantes e também do comércio entre os países do norte da europa e a Itália. Dentro do túnel é pista única com duas mãos, e como engarrafamento lá dentro pode ser fatal, eles controlam a entrada e filas se formam antes do túnel. A gente já ficou parado nesse trânsito algumas vezes e dessa vez, como tínhamos tempo de sobra, zero pressa, e vontade de aproveitar as férias ao máximo, resolvemos atravessar a montanha por cima, cruzando o Passo de São Gotardo. Os passos são as estradinhas que sobem as montanhas e as cruzam pelo topo. Normalmente são estradas simples,  sinuosas, íngremes e que proporcionam vistas lindíssimas. E assim foi a crusada do Passo, a 2106 m de altitude. Lá em cima tem um lago, e a gente desceu pra dar uma esticada nas pernas e uma olhada. Mas estava vento demais, frio, e tinha muita obra por perto, então a paisagem estava poluída por gruas rs. Chegamos em Lugano a tempo de, mesmo sem reserva, sentar na mesa mais bonita da cidade e curtir um jantarzinho balado e delícia. 

Nossa vista do jantar era quase essa daí, com o San Salvatore


Na segunda feira acordamos e fomos caçar um café da manhã, já nos encaminhando pro centro da cidade. O centrinho de Lugano é puro charme, a orla é linda, e a vista do San Salvatore QUASE lembra um Pão de Açúcar rs (muitos risos mas enfim, divago rs). Nosso plano era pegar a gôndola e subir o morro, coisa que ainda não fizemos, mas o tempo começou a fechar. Pensamos em fazer algo bem fora do nosso perfil: ir dar uma olhada no outlet de luxo que tem no subúrbio da cidade. Mas antes da gente conseguir fazer qualquer coisa, caiu uma PUTA chuva com vento e tudo mais. Nos restou sentar num bar e passar o dia inteiro lá tomando os bons drinks. Teria sido um dia perdido se eu não gostasse tanto de bons drinks rs.  

O único registro do dia, antes do toró cair

Na terça feira nós tinhamos um programa definido: caminhar pelo centro, pegar o barco no pier Lugano Centrale, e ir curtindo o lago até chegarmos em Gandria, um vilarejo encravado na montanha, na beira do lago, sem acesso de carro, e cheio de charme. Há 3 anos, nós fomos caminhando a Gandria e voltamos de barco. Dessa vez resolvemos fazer o trajeto inverso, para pegar os restaurantes abertos e almoçar com uma vista épica. E se valeu a pena? Ô! O barco de Lugano para Gandria dura cerca de 35 minutos, custa uns 16 francos para quem não tem nenhum desconto. Não é que tem muita coisa pra fazer em Gandria, mas é um vilarejo lindo, tranquilo, fotogênico, e da próxima vez que formos a Lugano, quero passar uma noite lá.

De barco, entre a Suíça e a Italia
 
A chegada no vilarejo de Gandria

E a varanda do Locanda Gandriese, um restaurante delícia

Em nosso caminho de volta, a pé, paramos em Lido San Domenico, um banho público que é mara: tem música boa, drinks, aceita Carlito, e o melhor: acesso direto ao lago de Lugano, o lago com a água mais gostosa dessa Suíça. Passamos o resto da tarde lá, entre um mergulho e outro, um drink e outro, lendo, curtindo a música boa, e a vista incrível. Digo que o lago de Lugano tem a melhor água, porque a temperatura é perfeita: não é gelado, não é quente, é gostoso demais ficar dentro da água. Esse esquema ainda é o que pra mim eu defino como um dia perfeito de férias: um pouco de sight seeing, uma vila bonita, uma comida boa, e horas de "praia". Eu passaria o resto da vida assim :) 

A trilha de Gandria pra Lugano começa assim, bem rústica e linda

E tudo que eu quero pras minhas férias suíças: Lido San Domenico


Na quarta feira fizemos check out e pegamos o carro sentido Locarno. Dessa vez, no entanto, não fomos para a cidade. Nosso destino era um dos hits suíços no Instagram: Lavertezzo, uma vila pitoresca encravada no meio da montanha, cortada por um rio de água absurdamente esmeralda. Aqui fica o alerta mor: se for fazer esse trajeto de carro, vá cedo. A gente meio que dormiu no ponto, chegamos lá por volta do meio dia, e foi MUITO difícil pra estacionar o carro, porque as vagas são limitadas. É possível chegar lá de post bus, só procurar no app da SBB. De Lugano até lá, de carro, é coisa de 45 minutos, e quando começa a subir a montanha, o caminho vira um desbunde. 

Lavertezzo numa foto: montanhas, cidade, água esmeralda, aglomerações e desbunde a olho nu


Lavertezzo deu uma bombada depois de viralizar no instagram, e virou um top destination no Ticino, e por isso acaba sendo também um acúmulo de perrengues: estacionar, achar um lugar sem muita gente por perto, fila pra pular da ponte direto na água, então, tem que ir com paciência. Nós acabamos incluindo na viagem de última hora, porque estávamos perto, e valeu a pena. Achamos um canto pra chamar de nosso e curtir a água mais gelada em que já me enfiei rs. Depois fizemos uma caminhadinha bem de leve até a vila. O ideal seria ter mais tempo por lá, talvez dois dias, e se embrenhar pelo Valle Verzasca, ver as paisagens com menos gente em volta. Muita gente acampa por lá, faz trilhas, e eu acho que esse deve ser o melhor jeito de explorar a região. Terminamos nossa viagem comendo uma pizza de frente para um lago artificial formado numa barragem, e delá seguimos viagem de volta pra casa. 

Aquele perrengue chique básico do verão europeu: tomar sol na pedra rs

Fim de viagem de frente pro lago de Vogorno

Foram dias muito gostosos, lazy, devagar, eu quase fiquei com a impressão que não vimos muita coisa, mas agora colocando assim tudo escrito, na verdade fizemos foi bastante coisa :) E eu gosto desse relato diário, que é mais pra mim do que pros outros, mas aí no meio ta cheio de dicas, querendo, é só explorar! 

6 comentários:

  1. Saudade alpes suíços e suas paisagens cinematográficas! Cara, a gente precisa se encontrar nessas quebradas em algum verão enquanto eu morar na Europa. A gente é muito a mesma vibe de viagem e agora ainda tem Carlito acompanhando. Morri de amor com todas as fotos. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse verão ta com cara que acabou, mas oremos que esse micróbio do cacete não nos impeça em 2021!

      Excluir
  2. Que lugares lindos...Encantada pelas fotos, por Carlito e pela tua energia boa! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses lugares são incríveis. Eu recomendo demais!

      Excluir
  3. Pelo amor, como é linda a Suíça! Que saudade de poder viajar! Ps: essa sua saia azul tá espetacular... aliás, amando todos os seus looks, Gabi! Tá linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <3 Obrigada! Eu nasci pro verão rs.. então modéstia a parte, eu acho mesmo que meus looks verão arrasam haha.. mas esta chegando os 6 meses do ano que eu fico vacalhada. Paciencia rs

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top